‘Acabou’ o Governo

Coluna Esplanada / 10/08/2017 - 12h00

No Orçamento Geral da União para 2018, o Ministério do Planejamento enterrou as ações iniciadas e concretizadas pelos Governos do PT e apresentou veto às ‘Prioridades da administração pública federal’ como o PAC, o Plano Brasil Sem Miséria, a ‘promoção da igualdade e ao enfrentamento à violência contra a mulher’, a ‘implantação do Acordo de Paris sobre Clima’, firmado na COP 21; além de todas as metas do Plano Nacional de Educação. 

Lisos

Na justificativa, o Palácio emendou, driblou o vocabulário, enrolou, escreveu bonito, para nas entrelinhas mostrar o óbvio: acabou o dinheiro. 

Parou geral

Todas as obras paralisadas no país com menos da metade da programação atingidas não serão retomadas, ao contrário do que propuseram os congressistas.

Caserna em alerta

O Governo também vetou todas as ações novas programadas pelo Ministério da Defesa. 

É a eleição
Em manifestação no Salão Verde da Câmara, funcionários terceirizados revelaram que muitos estão sendo demitidos. Copeiras, faxineiras, vigilantes – alguns com mais de 30 anos de serviço – são trocados por novos funcionários indicados por deputados. 

Bancada do voto

“Estamos pedindo socorro”, disse uma das manifestantes. Procurada, a presidência da Câmara não se manifestou. Há uma frente suprapartidária de federais no projeto de apadrinhamento de desocupados – mas bons eleitores. 

CAIXA preta

A Caixa está escondendo o jogo. O departamento que responde pela Lei de Acesso à Informação pelo banco e a assessoria de imprensa indicam má vontade em responder sobre os patrocínios da instituição para eventos nos últimos 24 meses. 

Amazonlandia

O vice-presidente da Disney, Greg Hale, visitará Manaus para conhecer o projeto do Bioparque temático na floresta, que a AmazonasTur quer instalar na região de Manaus.

Patriota

O PEN vai se chamar Patriota. Hoje, Jair Bolsonaro anuncia que vai trocar de partido na ‘janela’ do fim do ano para disputar a presidência pela nova legenda. 

Dá cá...

O todo-poderoso Lázaro Brandão telefonou ontem para o governador do Rio, Luiz Pezão, tão logo foi confirmada a compra da folha de pagamento do Governo do Estado pelo Bradesco por R$ 1,3 bilhão. “Vou ajudar o Rio”, disse o paulista. 

...e toma lá

Mas o Rio também vai ajudar muito o Bradesco. O retorno do investimento virá com bons juros sobre empréstimos diretos ou por consignação na folha; as altas taxas mensais dos serviços de contas que serão abertas etc etc.

Frevo desafinou

A base do governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), começou a desabar. O PDT decidiu lançar a candidatura de José Queiróz ao Palácio do Campo das Princesas. Marília Arraes, neta do saudoso ex-governador Miguel, será candidata do PT com o apoio de Lula da Silva – que passará no Recife dentro de duas semanas. 

Indefensável

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ), apoiador do Governo de Nicolas Maduro na Venezuela, rebate dados de que não há democracia no país vizinho. Diz que desde a eleição de Chávez houve 21 eleições por lá e teme uma intervenção militar americana.

Calma, senador

Na terça, após bater boca com Lindbergh no Conselho de Ética, o senador Petecão (AC) correu para o serviço médico para medir a pressão. Só se acalmou horas depois. 

Gleisi – parte 2

E a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, hein? Indiciada pela PF na Lava Jato. Pedimos desculpas a ela e aos leitores por termos esquecido do registro.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários