PMDB dupla face

Coluna Esplanada / 29/07/2017 - 12h00

Deputados do PMDB que votarem pela admissibilidade da denúncia contra o presidente Michel Temer no plenário serão expulsos do partido. O primeiro passo será abertura de processo no Conselho de Ética da legenda. Mas a cúpula – e dela faz parte, mesmo que licenciado, o presidente da República – mantém em seus quadros sem qualquer punição os caciques enrolados com a Justiça, como os detentos Eduardo Cunha, Sérgio Cabral e Henrique Eduardo Alves; e o solto provisoriamente Geddel Lima.

Controle remoto 

O ex-ministro do Turismo Henrique Alves, preso há dois meses, permanece como presidente do partido no RN. Geddel segue como 1º secretário da Executiva nacional.

Requião

O senador Roberto Requião, presidente do PMDB do Paraná, trata com ironia: “Por que (punir) o coitado do Rocha Loures se não mexem com Temer, Jucá ou Cunha”?

Olhos vendados 

O Código de Ética do PMDB (Cap. 4, art. 20, inciso II) estabelece como um dos casos para expulsão a “improbidade administrativa praticada na gestão da coisa pública”. 

Consulta

O presidente do PTB, o mensaleiro Roberto Jefferson, encomendou “consulta” sobre a denúncia contra o presidente Temer ao departamento jurídico... do próprio partido. “De modo que, respondo à consulta, opinando no sentido de que a denúncia dada a público, não se sustenta, por descender de violação original”, assina o Secretário Nacional de Assuntos Jurídicos do PTB, Luiz Francisco Corrêa Barbosa. 

Mais do mesmo

Para quem não entendeu o supracitado, entrelinhas – ou em outras palavras – é o seguinte: tô contigo e não abro, presidente. Jefferson quis fazer a filha, a federal Cristiane Brasil, ministra da Cultura. Não deu, por ora. 

Poder sem batom

Os partidos do Movimento Nacional (PMN), Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB) e Social Democrata Cristão (PSDC) foram alvos de ação da Procuradoria Eleitoral por descumprimento de tempo mínimo de propaganda para a promoção e difusão da participação política feminina. 

Percentual mínimo

A apuração da Justiça Eleitoral revelou que o PMN e o PRTB não obedeceram ao percentual mínimo na veiculação de suas propagandas no primeiro semestre de 2017. O PSDC sequer veiculou qualquer difusão ou promoção à participação feminina.

Canto da Sereia

O líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), chama de “canto da sereia” o PDV anunciado pelo Governo: “Quem entrou (em PDVs anteriores) se arrependeu muito”. 

Amarelinhos

A Coluna revelou há dois meses que os Correios preparam plano de demissão (dispensa motivada) de servidores concursados. Segundo o presidente, é para salvar a estatal.

Efeito nulo 

Estudo do Instituto de Economia da Unicamp (O PIB de 2017 e o peso da austeridade) rebate o discurso do Governo sobre o fim da recessão. O texto observa que, se o investimento é determinado pela confiança empresarial na política econômica, o efeito do Governo Temer sobre a confiança é nulo ou até negativo. 

Carne fraca

O estudo da Unicamp também aponta que o escândalo da Carne Fraca e o envolvimento do ex-ministro da Justiça Osmar Serraglio prejudicará a pecuária no 2º trimestre, “reforçando o papel do fim da colheita de milho e soja no sentido de reduzir o produto da agropecuária, que provavelmente terá papel negativo no PIB do segundo trimestre”. 

Obras eleitoreiras

Está pronto para votação na Comissão de Constituição e Justiça do Senado projeto do senador Cristovam Buarque (PPS-DF) que proíbe inauguração de obras três meses antes das eleições. 

Alô, povo

Os ministros Torquato Jardim (Justiça), Sérgio Etchegoyen (GSI) e Osmar Terra (Desenvolvimento Social) vão debater segurança e combate ao contrabando no Brasil de Ideias, na terça, no Marriot do Rio de Janeiro. 

Ponto Final

“Quando alguém me diz que não se pode investigar o Temer porque não há outra opção, respondo que a opção é tomar vergonha na cara”

Do senador Roberto Requião (PMDB-PR)

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários