Zona de risco

Coluna Esplanada / 13/01/2018 - 12h00

O rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s é um “recado claro de que as coisas pioraram” e deve “diminuir a velocidade da recuperação econômica”. A avaliação é do economista e ex-secretário do Ministério do Planejamento, Raul Velloso. Agora o Brasil está no mesmo patamar de “risco de calote” de países como República Dominicana e Honduras. À Coluna, Veloso afirma que o Governo foi “atingido” e “certamente a oposição pode explorar” o rebaixamento para engrossar as críticas à política econômica comandada pelo ministro Henrique Meirelles (Fazenda). 

Por favor 
O presidenciável Henrique Meirelles (Fazenda) se empenhou pessoalmente, em contatos com interlocutores da Standard & Poor´s, para tentar evitar o rebaixamento da nota de crédito do Brasil. 

Nada feito 
Meirelles pediu para que a agência aguardasse pelo menos até fevereiro, mês de votação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados. Sem sucesso. Outras agências internacionais se preparam para rebaixar a nota do Brasil nas próximas semanas. 

Delator
Pai da quase-ministra do Trabalho, Cristiane Brasil (PTB-RJ), o deputado cassado Roberto Jefferson franze a testa e altera o tom de voz quando é chamado de “delator do mensalão”. 

Custe o que custar 
E ai de quem sugere ao ex-deputado, dentro do PTB, outro nome do partido para assumir o comando do Trabalho. O “delator do mensalão” reage com rispidez e diz que a filha será ministra “custe o que custar”. Calma, Jefferson! 

Termo aditivo 
O Sindicato Nacional dos Aeronautas recorreu à Justiça para tentar anular termo aditivo ao contrato de trabalho da Embraer assinado por pilotos da empresa. A companhia alterou as cláusulas contratuais com o objetivo – segundo o SNA – de obstruir outra ação da entidade que acusa a Embraer de descumprir normas estabelecidas na legislação aeronáutica. 

Escalas 
Na ação, o SNA pede, liminarmente, que a empresa regularize as escalas dos aeronautas para que passe a respeitar o limite de 21 dias de trabalho fora da base contratual; que quando do retorno à base seja concedido o número de folgas legal e que sejam publicadas as escalas com todas as atividades predeterminadas.

Malas prontas
O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, já está de malas prontas: viajará para França, China e Suíça. Em Pequim, conversará com empresários que já demonstraram interesse em colocar dinheiro no Brasil, apesar dos riscos. 

Cabo eleitoral 
O PSDB ainda não se decidiu sobre o desembarque do governo Temer e muito menos quem será o candidato à Presidência. O ministro Aloysio Nunes (Itamaraty), no entanto, insiste em propalar que Geraldo Alckmin “é nome certo no segundo turno”. 

Fora do ar
Usuários da Vivo estão praticamente incomunicáveis na região de Arraial D’Ajuda, Trancoso e Caraíva, na Bahia. Desde segunda-feira, turistas e moradores reclamam da pane geral nas linhas móvel, fixa e internet. 

Outro lado da linha
À Coluna, a assessoria da operadora confirmou o problema na rede, mas que “o fato já foi solucionado”. Conforme recente levantamento da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a Vivo liderou as reclamações em telefonia móvel em novembro. 

Verdade 
A partir deste ano, 24 de março será o Dia Internacional do Direito à Verdade. A inclusão da data foi estabelecida após sanção de lei pelo presidente Michel Temer. 

Ponto Final
“Se Lula for condenado, está instaurado no Brasil a abertura da consolidação dos métodos de exceção nos processos penais.”
Do ex-ministro da Justiça, Tarso Genro (PT-RS) 
 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários