Boa-nova no Vale de Santa Rita do Sapucaí

Editorial / 30/03/2018 - 06h00

Crise política, prefeituras em estado de calamidade... Haja notícia negativa na economia e política brasileiras. No entanto, em meio ao caos, surge uma boa-nova. E ela vem de Minas, especificamente de Santa Rita do Sapucaí, no Sul do Estado. Um principais polos de desenvolvimento tecnológico do Brasil, o Vale da Eletrônica voltou a crescer, depois de dois anos de total inércia. A expansão econômica foi de 12%, em 2017, em comparação com o ano anterior. Mas o Vale deseja mais.

Em 2018, trabalha para ser reconhecido pelo governo do Estado como parque tecnológico aberto, diferencial que traria mais visibilidade, oportunidades de negócios e acesso a investimentos públicos para o polo tecnológico.

Um parque tecnológico tradicional é uma área cercada de muros, onde há empresas, investimentos, centros de pesquisa e desenvolvimento, laboratórios e, ainda, academia. Em Santa Rita do Sapucaí, temos tudo isso na cidade. Então, estamos trabalhando para alcançar esse diferencial. Temos um APL (o Arranjo Produtivo Local) maduro e consolidado”, garante o presidente do Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica (Sindvel), Roberto de Souza Pinto.

O Arranjo Produtivo Local Eletroeletrônico (APL) sedia, hoje, 153 empresas, que juntas faturaram R$ 3,2 bilhões no ano passado e geram quase 15 mil empregos diretos na região. A expectativa é a de que o reconhecimento do Vale da Eletrônica como parque tecnológico aberto aumente a oferta de empregos, atraindo pessoas de outras regiões para Santa Rita do Sapucaí e municípios vizinhos. Ganhariam também o comércio, a construção civil e outros setores da economia.

Em um país com grande taxa de desemprego – são 12,7 milhões de pessoas nessas condições, segundo o IBGE –, o crescimento do Vale de Santa Rita do Sapucaí é um alento e pode servir de exemplo para o Brasil de que a economia pode ser retomada.
 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários