Violência e impunidade no Brasil

Frei Betto / 24/06/2017 - 06h00

"Este quadro de violência generalizada no campo revela o descaso do governo e vem se agravando sobretudo nos últimos três anos. Este ano de 2017 promete superar 2016, recordista em ocorrências de conflitos por terra no Brasil nos últimos 32 anos"

O (des)governo Temer agravou a escalada de violência no campo. Em apenas 35 dias, ocorreram três massacres e uma tentativa, quase um por semana, com 22 trabalhadores mortos na luta pelo direito à terra, defendido pelo papa Francisco ao enfatizar que a dignidade humana depende de três T: terra, trabalho e teto.

O primeiro, em Colniza (MT), em 20 de abril, com nove trabalhadores torturados e mortos por jagunços encapuzados. O líder dos posseiros foi degolado.

Em Vilhena (RO), em 29 de abril, três corpos carbonizados foram encontrados dentro de um carro, na mesma fazenda em que cinco trabalhadores haviam sido assassinados em 2015, três deles queimados ainda vivos. O crime permanece impune.

O ataque aos índios Gamela ocorreu em 30 de abril, em Viana (MA), e resultou em 22 feridos, dois com mãos decepadas por populares insuflados por ruralistas e políticos, com envolvimento da Polícia Militar, conforme registro de uma viatura da própria corporação.

O mais recente massacre foi em Pau d'Arco, no sul do Pará, em 24 de maio: nove homens e uma mulher assassinados por policiais civis e militares. A versão oficial é de que as mortes ocorreram em confronto armado, pois os policiais teriam sido recebidos a bala. Porém, o depoimento de alguns sobreviventes do massacre, feito a integrantes do Ministério Público e a outras entidades que investigam o caso, indica que houve execução fria e planejada.

A barbárie se consumou com o tratamento dispensado aos corpos das vítimas, jogados como animais em carrocerias de caminhonetes, levados para perícias, e devolvidos, do mesmo modo, aos familiares, largados ao chão de uma funerária, já putrefatos, para serem enterrados.

Este quadro de violência generalizada no campo revela o descaso do governo e vem se agravando sobretudo nos últimos três anos. Este ano de 2017 promete superar 2016, recordista em ocorrências de conflitos por terra no Brasil nos últimos 32 anos. Foram 1.079 ocorrências, quase três por dia, o maior número desde 1985, quando a Comissão Pastoral da Terra (CPT) começou a publicar sistematicamente os registros. Já são 37 os trabalhadores rurais assassinados nos últimos cinco meses de 2017, oito a mais que em igual período no ano passado, quando houve o registro de 29 assassinatos.

Essa exacerbação dos conflitos agrários está ligada à crise política que o país atravessa e ao avanço criminoso do agronegócio sobre o Estado brasileiro.

O Estado brasileiro tem ultrapassado os limites do desrespeito à cidadania e aos interesses do povo, numa democracia de fachada, cinismo e desfaçatez, que se alimenta de desmandos de criminosos impunes, conforme o comprova a Lava Jato. A desobediência ou manipulação da legalidade é senha para os excessos na repressão aos pobres. É licença para matar e tripudiar sobre eles.

É inaceitável que o poder público se faça de cego frente à manifestação de ruralistas e parlamentares, em 29 de maio, em Redenção, no sul do Pará, em solidariedade aos policiais que praticaram o massacre em Pau d'Arco, e ali proclamados heróis da causa ruralista.

"Essa exacerbação dos conflitos agrários está ligada à crise política que o país atravessa e ao avanço criminoso do agronegócio"

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários