Política transparente e participativa

Gabriel Azevedo / 17/07/2017 - 06h00

Um dos compromissos que assumi durante a campanha eleitoral foi dar total transparência a meu mandato, estabelecendo canais constantes de informação com os 10.185 eleitores que votaram em mim e com a população de Belo Horizonte. No começo do mês, me reuni na Câmara com um grupo de eleitores para repassar a eles o balanço dos seis primeiros meses de trabalho como vereador, informações que também divulguei nas redes sociais, dando total publicidade à minha atividade legislativa.

Um dos aspectos do relatório apresentado que mais chamaram a atenção das pessoas é a capacidade de penetração das redes sociais, o uso da tecnologia como instrumento de comunicação com a população, ferramenta que os políticos brasileiros ainda usam de maneira tímida. Nestes seis primeiros meses de mandato, minha página no Facebook teve 5,4 milhões de interações. Isso significa que a média é de 30 mil acessos diários ao meu canal na rede social, demonstração da efetividade da comunicação digital para o exercício transparente da política.

Outra comprovação da eficiência da tecnologia para aumentar a participação dos cidadãos e tornar mais democrático o mandato foi o uso intenso do aplicativo Meu Vereador por parte da população para encaminhar ao meu gabinete de denúncias e demandas por serviços públicos. Em seis meses, foram recebidas por meio do aplicativo 981 notificações, das quais 499 foram solucionadas, 218 aguardam resposta e 264 estão pendentes.

O Meu Vereador também possibilita uma leitura mais detalhada dos problemas que mais preocupam os moradores de Belo Horizonte. Dessa forma, tenho mais um parâmetro para nortear minha atuação legislativa. Trânsito, iluminação, falta de fiscalização, buracos em ruas e calçadas e falta de capina somam quase a totalidade das solicitações e denúncias.
Interessante observar que entre as 981 notificações recebidas, nada menos que 37% dizem respeito a reclamações de trânsito. Em uma cidade com quase 1,8 milhão de veículos em circulação e planejamento de tráfego que deixa a desejar, os dados retratam esse conflito entre motoristas, pedestres, ciclistas, motociclistas e usuários de transporte coletivo.

Ainda pude informar aos meus eleitores e à população que ao abrir mão da verba de correios, verba de gabinete, celular, dois carros com motoristas, dois servidores da PBH e outras despesas, em quatro anos farei uma economia de R$ 1,6 milhão para os cofres públicos. Nestes seis meses, faltei apenas a uma sessão da Câmara e participei de 812 reuniões com eleitores e representantes de vários segmentos e entidades de classe. O objetivo de exercer o mandato de forma independente, participativa, democrática e transparente está sendo cumprido à risca e assim continuará.

 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários