Buraco sem fundo

Jorge Alexandre / 31/08/2017 - 06h00

Definitivamente, o governo ilegítimo de Michel Temer é um buraco sem fundo. Cada dia que passa o governo se afunda mais e com ele leva tanto o Estado (no sentido da instituição) quanto a sociedade. Os últimos dias foram pródigos em escavações!

O anúncio da privatização do Sistema Eletrobras anuncia um grande desastre. As privatizações no Brasil não têm sido bem sucedidas. Primeiramente, porque têm sido marcadas por corrupção. Em segundo lugar, porque apresentam um elemento de engodo muito significativo, pois os maiores compradores de empresas privatizadas têm sido os fundos de pensão das empresas estatais (em um país no qual a classe empresarial é rentista, esta não participa de operações sem a presença de agentes estatais ou parestatais – como os fundos de pensão – que ajudem a reduzir o risco), o que termina por reforçar o problema da corrupção, pois esses fundos de pensão terminam se associando a agentes privados escolhidos pelos mandatários, como ocorreu com a privatização do Sistema Telebras. Em terceiro lugar, porque a experiência tem mostrado que a ineficiência gerencial das empresas privatizadas termina gerando prejuízos que são assumidos pelo contribuinte, como, mais uma vez, ocorreu com as empresas privatizadas do Sistema Telebras que terminam sugando recursos públicos para serem salvas da bancarrota (visto os R$ 100 bilhões de patrimônio público transferidos para elas, no ano passado). Finalmente, no caso do setor elétrico tem-se o agravante de ser um “monopólio natural”, isto é, um setor da economia no qual o desenvolvimento de um mercado competitivo é impossível (se no setor de telefonia, no qual um sistema concorrencial é muito mais viável, há fortes elementos de formação de oligopólios, imagine-se o que irá ocorrer com o setor elétrico).

Historicamente, a matriz energética do Brasil sempre representou uma de suas vantagens competitivas no chamado “sistema mundo”. Em função de alguns privilégios naturais e de boas iniciativas do passado, o Brasil (ainda) tem um dos melhores e mais baratos sistemas de geração de energia elétrica do mundo! Isso poderá se deteriorar rapidamente, com a privatização do Sistema Eletrobras. Dizer que a energia elétrica ficará mais barata para o consumidor no Brasil se houver a privatização é uma grande mentira. As experiências internacionais de privatização no setor elétrico mostram que ocorre exatamente o contrário (até por causa de ser o setor, como dito acima, um “monopólio natural”). Queimar um patrimônio público de tal relevância para manter a atual política econômica desastrosa, evitando penalizar os rentistas que lhe dão sustentação, é apenas mais uma das medidas calamitosas do governo ilegítimo, o que nos faz ver que o buraco não tem fundo!

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários