Pelé, O Pensador

José Roberto Lima / 17/06/2017 - 06h00

 

A Confederação Brasileira de Futebol encerrou o contrato de transmissão dos amistosos da Seleção. Ela mesma irá gerar as imagens e comercializá-las. Os comentários ficarão a cargo de Pelé. 

Mas será que o grande Atleta do Século é também um pensador à altura dessa importante tarefa? Para responder a esta pergunta, voltemos ao tempo em que o jovem Édson Arantes do Nascimento foi contratado pelo Santos.
Ao final dos treinos ele, sozinho, dava voltas no gramado e pensava nos dribles para o próximo jogo. E planejava as surpresas contra os adversários mais difíceis. 

Esse treino mental sempre dá resultado, seja no esporte ou nos estudos. Neste sentido, veja os resultados de um estudo citado pelo site “universidadedofutebol.com.br”: atletas da antiga União Soviética “foram divididos em quatro grupos. O primeiro dedicava 100% do tempo aos treinamentos. O segundo, 75% aos treinos e 25% visualizando (pensando sobre) os movimentos exatos e as metas desejadas. O terceiro, 50% do tempo para cada atividade e o quarto grupo, por fim, 25% aos treinamentos e 75% para essa visualização”. 

Os resultados mostraram que o melhor desempenho foi dos atletas que treinaram fisicamente apenas 25% do tempo, ficando todo o restante em treinos mentais.

Com muito mais razão, isso ocorre nos estudos. Afinal, o condicionamento mental é literalmente uma atividade física, só que concentrada no cérebro.

É por isso que estudar muito cansa. É por isso que vale muito mais estudar um pouco, mas todos os dias. E é por isso que o Pelé, agora comentarista da CBF, foi um jogador tão diferenciado. Seus dribles eram meticulosamente treinados na mente.

Desse modo, há várias expressões que o qualificam: O Atleta do Século... O Camisa 10... O Rei... O Eterno. Mas há outra que lhe cai como uma luva: Pelé, O Pensador.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários