Somos todos Helley

José Roberto Lima / 14/10/2017 - 06h00

O Brasil e o mundo ficaram chocados com a recente tragédia em Janaúba. Um vigilante entrou na escola infantil onde trabalhava e ateou fogo no próprio corpo. As chamas atingiram várias crianças e muitas delas morreram. 
Para evitar um mal maior, a professora Helley Abreu Batista entrou na sala em chamas por três vezes e socorreu vários de seus pequenos e inocentes alunos. Ela sacrificou a própria vida neste ato heroico.


É significativo que isso tenha ocorrido próximo às datas dedicadas às crianças e aos professores. 
As crianças têm uma vontade incomensurável de aprender. E os bons professores são abnegados, altruístas, dedicados e, de algum modo, heróis.

A professora Helley, que já havia perdido um filho de cinco anos, deixou outros três: Breno (15 anos) Lívia (12) e o bebê Olavo. 


Sua vida foi marcada pela superação.  Nascida em Montes Claros, era integrante de uma família de três irmãos. Com pouco mais de 20 anos, casou-se com Luiz Carlos Batista. 

O marido caíra em depressão com a morte do primeiro filho. Mas a heroína Helley superou a tragédia e apoiou o companheiro, como relembrou o irmão dela, Paulo Rogério Abreu. 

Desta vez, durante o funeral, foi a vez do marido, em prantos, reconhecer as virtudes: “Ela se foi por salvar a vida das crianças. Acho que a missão dela era esta,  salvar vidas”. 

Uma colega de trabalho também reconheceu: “A Helley sempre andava com um sorriso no rosto”.
Por tudo isso, neste dia 15 de outubro, em que comemoramos o dia dos professores, este artigo é dedicado aos familiares da Professora Helley Abreu Batista. 
Que os corações de todos vocês fiquem reconfortados com a certeza de que ela era, e continuará sendo uma heroína.


E quanto a nós, que seguimos no sacerdócio do magistério até que o Criador nos chame, quanto a nós... bem, quanto a nós, somos todos Helley.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários