As Academias de Ginástica: exercícios com pesos

Luciano Prado / 29/01/2018 - 06h01

Dando continuidade à abordagem acerca de como evoluíram as alternativas que a sociedade moderna busca contra o sedentarismo e suas consequências, trataremos hoje da ginástica e atividades físicas em academias, mas focando nos exercícios com pesos.

O levantamento de pesos é uma atividade que sempre encantou o ser humano desde a Antiguidade, e que talvez por isso tenha estado presente no contexto esportivo desde o início dos Jogos Olímpicos da modernidade. O aspecto clássico da modernidade atrai a atenção de milhões de espectadores em todo o mundo. Entretanto, e justamente pela acirrada rivalidade oriunda desse grande interesse por um esporte tão clássico, a modalidade também viu-se atingida por escândalos de doping, o que se explica pelo fato de que a força muscular máxima pode ser muito significativamente aumentada com o ganho de massa muscular, e uma das formas de se acelerar o processo é a administração de fármacos que imitam a ação de formação de proteínas do hormônio sexual masculino, a testosterona. O esporte ficou maculado, e hoje luta bravamente contra essa pecha, com bastante sucesso.

Paralelamente, as pessoas começaram a levantar peso agora não apenas para vencerem seus limites de carga, mas para parecerem musculosos. Era o advento do fisiculturismo, ou seja, treinava-se a força muscular não para melhorá-la, mas para se obter uma aparência forte. Aqui, uma vez mais, o uso indiscriminado de fármacos ilícitos e com devastador efeito sobre a saúde ganha espaço. Afinal, é justamente nesse contexto que sua efetividade é maior, e corpos extremamente musculosos não são alcançáveis sem essa “ajuda” química. Mais mácula sobre o exercício com pesos.
Mas acontece um fato novo. Principalmente a partir dos anos 80 e 90, surge um número significativo de estudos científicos que apontam para efeitos benéficos importantíssimos do treinamento da força muscular, mesmo aqueles utilizados pelo clássico levantamento de pesos ou pelos fisiculturistas.

A melhora da força muscular atua de forma impactante nos programas para redução da gordura corporal, o que, até então, acreditava-se ser apenas influenciado pelos exercícios prolongados, aeróbicos. A força muscular, bem trabalhada, age no sentido de se obter melhor postura, e promove a execução mais facilitada de movimentos da vida cotidiana. E a perda de equilíbrio, tão comum em indivíduos em idade mais avançada, leva a tombos que levam a fraturas de ossos já debilitados por desuso e descalcificação, principalmente em mulheres. A imobilização decorrente das eventuais fraturas pode ser catastrófica. Ocorre que a manutenção da força muscular evita ou diminui a velocidade da redução do equilíbrio com o passar dos anos, portanto auxiliando a evitar as fatídicas quedas e fraturas. Além disso, vencer as grandes resistências nos exercícios com pesos aumenta a sensibilidade dos músculos para a insulina, o que atua na prevenção e tratamento do diabetes mellitus tipo II e no tratamento do diabetes mellitus tipo I.

E não devemos nos esquecer: principalmente a partir dos anos 70, o treinamento da força muscular com pesos passa a ser componente fundamental da preparação física de atletas de alto rendimento de modalidades que nada têm a ver com o levantamento de pesos.
Então, se por um lado, hoje em dia o levantamento de pesos ganha cada vez mais a imagem de modalidade livre de doping, levantar pesos em academias passa a ser uma excelente oportunidade de o ser humano moderno se livrar da praga do sedentarismo, aquilo que na atualidade mais o adoece.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários