A sofrida América do Sul

Manoel Hygino / 28/07/2017 - 06h00

Custa imensamente em suor, lágrimas, e talvez sangue, manter uma nação igualitária, democrática. É assim mesmo. Os jornais têm divulgado com frequência o preço de manutenção dos três poderes, sem que os objetivos do Estado sejam alcançados. Mas, o povão inclusive é lembrado indesviavelmente no momento das eleições e já se pensa em 2018. Como será? Como seria? Como se desejaria que fosse?

Mas, estamos em momento especialmente difícil na América do Sul e, por extensão, à América Central, porque se assiste ao desenrolar perigoso de uma situação que pode resultar em guerra civil na Venezuela. Evidentemente esta não interessa àquele povo vizinho, tampouco às demais nações latino-americanas. Enquanto isso, o jornalista Clovis Rossi, da Folha de S. Paulo, comenta que a “diplomacia brasileira já se prepara para um cenário de guerra”. Não é o que parece.

Diz Rossi: “Toca, ele (Maduro, o presidente) os tambores de guerra”. É profundamente lastimável que não se consiga viver em paz e se evolua para um conflito, que ceifará inúmeras vidas e levará a nação ao Norte a piores dias. Cerca de uma centena de venezuelanos já perderam a vida e milhares se refugiaram do lado de cá da fronteira, na Colômbia e na Guiana, suponho. Já temos problemas demais, e sérios, no Brasil.

O panorama atual é sintomático e altamente preocupante, não apenas para os responsáveis pela gestão dos negócios públicos. O cidadão está incomodado, inquieto. Carlos Alberto Sardenberg, examinando a outra face da moeda, adverte: cada deputado federal custa R$ 6,5 milhões por ano à nação. Um senador, sobe para R$ 33 milhões, e são 81 membros na Câmara Alta do Parlamento.

Para tudo, há solução. A propósito, revista de circulação nacional informa que “as 60 camas, do tipo box, que a Câmara está comprando para a Câmara dos Deputados, custarão R$ 80 mil, 48 no modelo queen size e 12 king size”. Explica-se: “a aquisição é necessária para se assegurar a habitabilidade das residências funcionais dos deputados”. 

Ora, o número de camas é muito inferior ao de parlamentares. Só alguns terão o benefício? Há falta de igualdade no fornecimento do móvel a suas excelências? Ou gozam de preferências os laboriosos, os diligentes e os atentos ao seu papel na sociedade? 

Indispensável propiciar condições adequadas aos nobres parlamentares. No último dia 25, aliás, o site da mesma revista Época destacou que o Senado “fechou contrato para alugar 85 carros zero-quilômetro” para os senadores, secretário-geral da Mesa, diretor-geral e segurança do presidente Eunício Oliveira. 

O contrato durará 30 meses e os custos com manutenção, combustível e seguro dos automóveis se incluem no preço. Dois veículos são especiais, com 250 cavalos de potência, ar-condicionado com duas poltronas, película antivandalismo, central multimídia com tela touch e rádio integrado, leitor de CD, MP3, GPS, DVD, Bluetooth e USB. Há também câmera de ré e comando no volante. O aluguel é de R$ 9.300,00 por mês. Enfim, eles nos representam, devem merecer! Quanto à Venezuela, é outro problema.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários