Atentado em Nova York

Manoel Hygino / 11/11/2017 - 06h00

De uma hora para outra, um indivíduo aluga uma caminhonete na parte baixa de Manhattan, invade uma ciclovia na contramão, mata oito pessoas e deixa mais de uma dezena de feridos, que aproveitavam o tempo bom no dia do Halloween, tão caro aos americanos. Vai gente de toda a ilha, mesmo de longe, para assistir ao alegre festejo. 

O autor da cruel façanha foi Syfullo Habibullaevic Saipov, de 28 anos, que se programou para o maior atentado terrorista em Nova York desde as Torres Gêmeas, em 11 de setembro de 2001. Dele, disse o governador do Estado, Andrew Cuomo: “é um depravado, covarde e estava associado ao Estado Islâmico”. 

Curioso como acontecem os fatos: ele chegou aos Estados Unidos, em 2001, num sorteio para quem deseja ali ingressar, morou em Ohio, é casado e tem três filhos. Possuía dois endereços – na Flórida e em Nova Jersey, pegadinha a Nova York. Conseguiu visto para residência, trabalhava como motorista de Uber, nunca fora objeto de investigação ou suspeita. 

Imediatamente detido, com um tiro na perna ou algo assim, levado a hospital, o terrorista confessou que faria tudo de novo se oportunidade surgisse. Teria, imediatamente após o gesto criminoso, gritado em árabe “Alá é Deus”, como se ouve em velhos filmes de Hollywood rodados no deserto.

John J. Miller, vice-comissário de Polícia de Nova York, observou: “Ele parece ter seguido quase exatamente, de forma precisa, as instruções que o Estado Islâmico colocou em seus canais de mídias sociais sobre como realizar tal ataque”. Isto é: procedeu de acordo com o figurino do Estado Islâmico, que sequer é propriamente estado, nem muito rigorosamente obediente aos ensinamentos de Maomé, o profeta.

Entre os objetos resgatados no local da tragédia, um bilhete em árabe em que Saipov exortava os simpatizantes a manterem acesas as chamas dos objetivos do EI.

O que foi feito não está por fazer, diz-se lá em minha terra, de gente batuta, que conhece a vida, percalços e alegrias. Outro aspecto que desperta a atenção é que, depois de radicar-se no grande país do Norte, bem instalado, o emigrado se tornou adepto do Estado Islâmico, em nome do qual teria agido.

Trump, em sequência à tragédia, decidiu que o “Programa de Loteria de Vistos da Diversidade” deve ter fim, visando proteger “nossos cidadãos” e propôs pena de morte para o ubesque. Aliás, concedem-se 50 mil destas solicitações de todo o mundo, a cada ano, podendo o admitido levar a família, depois.

A pátria do Saipov é o Uzbequistão, uma das repúblicas componentes da ex-URSS, instalada em 1924, em terras anteriormente inclusas do Turquistão, Bocara e Corezim, com partes de outras regiões. A capital é Tahkent, de que tampouco eu ouvira falar. Mas sai gente de lá para matar em outros países.

Entretanto, ignoraram-se, com o atentado, muitos apelos, inclusive o da prece árabe que assim começa: “Meu Deus, não consintas que eu seja um carrasco que degola ovelhas, nem uma ovelha nas mãos de carrascos. Meu Deus, faze-me sentir que o perdão é manifestação de força, e a vingança, uma prova de fraqueza”. 

O conselho, contudo, foi ignorado também por Davin P. Kelley, um texano das proximidades de San Antonio, cidade mais populosa do Estado. No dia 5, ele matou a tiros 27 pessoas e deixou outras 24 feridas, durante culto num templo batista! E não era um fanático do EI?

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários