Brasil: problemas e atrações

Manoel Hygino / 09/08/2017 - 06h00

A União, nas vozes de Temer e do ministro Raul Jungmann, da Defesa, garantiu que as Forças Armadas manterão seus dispositivos no Rio de Janeiro para enfrentar a insegurança pública. São 8.500 homens da Marinha, Aeronáutica e Exército, além de 600 homens da Força Nacional, 380 da Polícia Rodoviária e outros. Decreto autoriza expressamente ações em todo o Estado do Rio, embora o foco seja a região metropolitana. 

Estamos plenamente de acordo. A cidade e o Estado do Rio de Janeiro precisam oferecer segurança aos que lá residem, trabalham ou visitam. A cidade, para ser efetivamente maravilhosa, exige tranquilidade. Nos tempos mais recentes, os brasileiros têm até receio de ir ao Rio de Janeiro, e o amplo e minucioso noticiário da mídia o justifica suficientemente. 

Ouvi pela televisão: A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio deflagraram ‘Operação Calabar’, que investiga o envolvimento de PMs com traficantes em São Gonçalo, a segunda maior cidade do Estado. O objetivo foi cumprir mandados de prisão contra 96 PMs e 70 acusados de envolvimento com o tráfico de drogas, “inclusive sequestrando bandidos para receber resgate”. Os militares eram lotados no Batalhão de São Gonçalo entre 2014 e 2016 e suspeitos de receberem propina, chamada de “meta”, além da venda de armas para 41 comunidades. 

A propina seria paga semanalmente. O inquérito começou com a prisão de um traficante que delatou o esquema. Gravações telefônicas e imagens de vídeos com os policiais recebendo dinheiro foram incluídos no processo. O nome da operação faz referência a Calabar, considerado traidor na história brasileira.

A esta altura, como deve sentir-se o vencedor da Mega-Sena de R$ 107 milhõess, no último sábado de julho? O sortudo investiu R$ 3,50 num jogo em uma lotérica de favela e foi o vencedor sozinho do prêmio. Seria um padeiro que tem prazo certo para receber a bolada: 90 dias.

É triste constatar, como o advogado Petrônio Braz, que “a violência deixou de ser um fato localizado nos grandes centros. Não existe mais cidade ou campo, vida urbana ou rural imune às suas consequências. A falta de segurança transformou a população ordeira e laboriosa em refém dos criminosos, em todo o território nacional...”.

O Sistema de Informação sobre Mortalidade do Ministério da Saúde informa, a propósito divulgou, que os atentados terroristas registrados nos cinco primeiros meses de 2017 não superam a quantidade de homicídios registrados no Brasil em três semanas de 2015. Os cálculos mostraram que, em 498 ataques, 3.314 pessoas morreram. A comparação é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, após divulgar o Atlas da Violência 2017.

Mesmo assim, ainda há quem queira visitar o país.

Nossa população foi considerada “a mais legal” do mundo pela CNN Travel. Sem os brasileiros, o planeta não teria oportunidade de conhecer o samba e o Carnaval do Rio, e nas praias os corpos malhados, desfilando com pequenos trajes de banho.

Outro motivo é o futebol, mas o tempo de Pelé, Garrincha e Ronaldo, ficou para trás.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários