Cinco séculos de Lutero

Manoel Hygino / 10/11/2017 - 06h00

As televisões concederam amplos espaços em sua programação em todo o mundo, no mês passado, aos 500 anos de Martinho Lutero, nascido numa aldeia da saxônia em 1483, e a sua tremenda campanha contra a pregação de indulgências. Ordenada esta pelo papa Leão X, visava o pontífice o levantamento de fundos para concluir a Basílica de São Pedro, em Roma. O pensamento de Lutero, com 95 teses, foi afixado à porta da igreja do Castelo de Wittenberg.

Não era só a questão das indulgências, vendidas a bom preço, porque outros motivos levaram Lutero à tomada de posições, que lhe valeram a excomunhão. Esta se fazia acompanhar da acusação de heresia perante os tribunais da Santa Sé, gerando uma imensa polêmica. 

Atravessava-se um momento extremamente delicado para a Igreja Católica, quando o sacerdote agostiniano ainda encontrou tempo para iniciar a tradução da Bíblia para o alemão, a primeira feita diretamente dos originais. Completou-se o trabalho com a publicação dos apócrifos do Velho Testamento em 1534, resultando num monumento literário com o qual se fixou o próprio idioma germânico.

Lutero entrara na luta disposto, em 1524 despiu definitivamente o hábito e, no ano seguinte, casou com a ex-freira Catarina de Bora, devotando-se a suas ideias e com o pouco dinheiro, muitas vezes chegando à inteira pobreza. 

Referimo-nos a Leão X, que esteve na cadeira de Pedro de 1513 a 1521. Eamon Duffy, em “Santos e Pecadores”, amplamente elogiada a obra em todos os continentes, conta quem foi este pontífice. “Filho de Lorenzo, o Magnífico de Florença, foi ordenado clérigo aos 7 anos e nomeado cardeal aos 13”. Ao morrer, deixou a Igreja dividida e o papado à beira da bancarrota, sendo os pastores universais da igreja rebaixados a meros políticos italianos. É o lado sombrio dos papas do Renascimento, obrigando a tarefa grandiosa de reconstrução que o papado se viu obrigado a empreender. Os pontífices do fim do século tiveram de reinventar Roma. Missão gigantesca que a igreja cumpriu religiosamente.

Lutero foi o homem do povo, franco e violento, esquecido de si pela contemplação de um ideal. Preocupava-se e esquadrinhou a Bíblia inteira. Era, enfim, diferente de Erasmo, de Roterdã. Na época, apareceu um chiste atribuído ao próprio Erasmo. Este esclareceu: “Erasmo pôs o ovo, mas Lutero chocou-o”, observando: “Sim, mas o ovo era de galinha, e afinal saiu um galo de combate”. 

Geoffrey Blainey, em “Uma breve história do Cristianismo” escreve: “Lutero sentia falta de alguma coisa em sua vida religiosa, e buscou ansiosamente uma resposta na Bíblia. Tornou-se quase obcecado por questões ligadas a pecado e penitência – também em relação a si quanto a outros religiosos”.

Destaca o historiador: “O tratamento dispensado pela igreja aos pecadores seguia uma fórmula: o pecador em busca do perdão confessava o pecado a um padre, que prometia absolvição, desde que cumprida a pena apropriada. Talvez o padre recomendasse orações, a prática de uma boa ação ou o pagamento em dinheiro. Esperava-se que o pecador, humilde e arrependido, cumprisse o recomendado, mas isso era difícil de constatar, e muitas vezes caía no esquecimento”.Chegou, assim, à confortadora conclusão de que a chave da salvação não estava nas boas ações, em uma vida virtuosa, nem na prática, mas no relacionamento do indivíduo com Deus”.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários