Em termos de prioridade

Manoel Hygino / 29/07/2017 - 06h00

Recebo a mensagem com a lição de Pitágoras: “Educai as crianças para evitardes punir os adultos”. O ensinamento atravessou séculos, muitos, mas chefes de Estado e de governos não aprenderam. Não lhes era conveniente.

Não tão longe no tempo, o antropólogo Darcy Ribeiro advertiu, em 1982, quando visitou nossa terra natal, Montes Claros, após exílio: “Se os governadores não construírem escolas, em 20 anos faltará dinheiro para construir presídios”.

Assim, é; assim tem sido; assim será, se não houver mudança na definição de rumos na administração pública. O premier Ben Gurion, de Israel, há décadas, ensinava: “Governar é definir prioridades”. No caso do Brasil, em todas as camadas da população, há um consenso: educação, saúde e segurança pública, primeiramente. Sem elas, não se conseguirá uma sociedade tranquila, saudável e produtiva.

Sem embargo, o dinheiro é curto como o cobertor dos pobres. É incapaz de proteger os pés e a cabeça, a um só tempo. Tudo leva ao sofrimento, sobretudo nas noites de frio, como as de julho deste ano, em que, mais uma vez, moradores de rua perderam a vida por força da hipotermia. 

Mas unidades escolares, em cidades brasileiras, estão sendo depredadas por vândalos, que no fundo são criminosos. Faltam recursos para proteção dos prédios, seus móveis, seus equipamentos, os próprios professores e funcionários são agredidos. Um quadro doloroso sob todos os aspectos, mas a que não se dá a imprescindível atenção, dadas a extensão e complexidade dos problemas, e à falta de recursos, pelos menos para estes itens. 

No Rio de Janeiro, em que a população enfrenta a criminalidade permanente, os problemas serão resolvidos. Não arrefece o interesse do turista diante da sucessão de assaltos nas matas da Tijuca ou nas belas praias de Copacabana. Se o estrangeiro perde a vida, como o argentino assassinado por um grupo de rapazes, são percalços da sorte. Ou de sua falta.

Escolas não faltarão. Tanto é verdade que prefeito do Rio assinou acordo com a Liga Independente das Escolas... de Samba. Graças a isso, assegurou-se, desde já repasse de R$ 13 milhões para as agremiações cariocas. Cada uma das treze escolas receberá R$ 1 milhão em cinco parcelas até novembro. É metade do que receberam neste ano, mas enfim... escola não pode parar. Agora se apela ao governo federal e ao patrocínio do empresariado, que patrioticamente darão sua contribuição, espera-se.

Diante da inabalável convicção, o presidente da Liga mencionada, Jorge Luiz, foi ao presidente Temer, para apresentar-lhe a solicitação de mais R$ 13 milhões, necessários às escolas no ano que vem. Conforme disse, o chefe do Executivo nacional teria garantido a participação, o que indignou aqueles que se contrapuseram ao aumento dos impostos sobre combustíveis para fechamento das contas públicas. Sá Leitão, novo ministro da Cultura, confirmou que o presidente lhe pediu deferir a demanda. Educação em primeiro lugar. E ela começa na escola.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários