Esta semana de maio

Manoel Hygino / 09/05/2017 - 06h00

A semana é uma das mais delicadas deste ano. Transcorrido um quadrimestre, somente sinais muito tênues de recuperação econômica tingem os horizontes. Verdadeiramente, o Brasil terá de enfrentar dias ainda dificultosos para sair da tremenda enrascada em se meteu e que, para dela sair, terá de submeter o cidadão a grande sacrifício.

No decorrer destes textos se pensou que o autor fosse um pessimista, incrédulo talvez por motivos pessoais, após o período de singulares bondades concedidas pelo poder público. Lembro que já o velho Ruy escrevera sobre o tema, referindo-se ao desenvolvimento do bem, pois funesto é o otimismo com as suas miragens falaciosas.

Ainda não foi aberto e examinado todo o espólio recebido pela atual geração de brasileiros, que transmitirá pesados encargos às próximas. Não se trata, como se pensaria, simplesmente dos escândalos envolvendo a maior empresa do país. O caso Petrobrás foi apenas um espectro na série de imensuráveis desvios que pareciam conduzir à perda da própria democracia tão duramente reconquistada.

De escândalo em escândalo, atingimos esta hora dramática. O caos se aproximou em passos rápidos, de que o povo se foi conscientizando, à medida que os fatos eram, como têm sido, divulgados em nível amplo.

O descrédito chegou ao ápice. Os bandidos comuns, os que fazem de sua atividade meio de enriquecimento ilícito, até violento, desafiam os agentes da lei, ganharam foros para expandir ordens de dentro dos presídios, mesmo mediante ações em nível internacional.

Os antigos donos da terra, os índios, se insurgem contra o Estado (e razões devem ter). Os que não possuem habitação, sequer de um quinhão de terra para ali erguê-la, incentivados por grupos e pessoas identificáveis, põem-se em campo contra a população, ordeira e trabalhadora, impedindo- a de locomover-se nas ruas e outras vias de trânsito. Por trás, a má fé, a desonestidade, às vezes a insensatez.

Esta semana de maio é extremamente delicada. Forças políticas – e não políticas – antagônicas terão talvez oportunidade de assistir a um espetáculo raro na história dos povos. Ao cidadão caberá conhecer novos fatos e a versão de pessoas investigadas. Deve-se admitir que há interesses subalternos e antipatrióticos para mobilização dos incautos e ingênuos contra medidas legais imprescindíveis e não adiáveis. Mas, não é um julgamento.

Por mais que se queira esquecer, não se ignorará a lição de Ruy, mais uma vez: “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto”. 

O jurista, que a Bahia legou ao Brasil, advertiu ademais: “As catástrofes mais atrozes, mais sinistras, mais desesperadas são as que entorpecem o caráter das nações e, depois de afundi-las no coma da indiferença, as sepultam no sono do aniquilamento”.

Não é o caso. A sociedade brasileira, a nação, está atenta, e usa do direito dos indivíduos que a formam, para vê-la extirpada dos deslizes e crimes que a aviltam e a comprometem em nível internacional. Se a hora é grave, cabe enfrentá-la conscientemente. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários