O Brasil na Segunda Guerra

Manoel Hygino / 04/08/2018 - 06h00

Brasileiros que assistiram à série de reportagens na TV Bandeirantes sobre ações de grupos nazistas em Santa Catarina se impressionaram com a audácia dos seguidores de Hitler no estado sulino durante a II Grande Guerra. Mesmo os mais atentos ao projeto expansionista pareciam pensar que a presença germânica se restringisse à Argentina a Paraguai. Longe disso, contudo. 

Hitler pretendia dominar todo o mundo e não podia abrir mão da América Latina. Documentos revelados mais recentemente demonstram, à suficiência, que Berlim se preparava para um ilimitado controle desde que Adolf assumira o poder, ganhando força e presença. Para isso, assumira a nacionalidade alemã, conforme se avalia seguramente em matérias como a assinada por Robert Lopes, em 2012, no volume “Diplomatas e Espiões”, da Discovery Publishers. Os fatos relatados, de autoria do pesquisador, associado ao Laboratório de Estudos de Etnicidade, Racismo e Discriminação da USP, contam a que ponto chegaram os nazistas na influência do nazifascismo sobre dezenas de personalidades, dirigentes e funcionários governamentais brasileiros e sul-americanos naquele período. 

O professor não narra como representantes de países atrasados, em sua maioria dirigida por governos autoritários e intrinsecamente corruptos, enxergaram o regime hitlerista. Seria um modelo de crescimento capaz de trabalhar a estagnação socioeconômica, no hemisfério sul-americano, acumulada por suas práticas durante várias gerações. 

O Brasil era importantíssimo. Tanto que, em meio de uma sexta-feira, 1º de setembro de 1939, dia da invasão da Polônia pelos alemães, Hitler encontrou-se, em Berlim, com o ex-ministro do Exterior do Brasil, Freitas-Valle, para uma análise da situação, por incumbência de Vargas.

Um outro diplomata, Jayme de Barros, depois da audiência entre Freitas-Valle e o homem mais importante do mundo àquela altura, ouviu dele um comentário franco: “o ditador nazista recebeu – com extrema polidez – e agradeceu-lhe ter vindo suportar com os alemães o duro combate. Disse ainda Cyro que, estranhamente, nunca vira em sua vida em olhar azul mais doce do que o de Hitler”.

Getúlio tinha um filho na Alemanha. Lutero estudava e namorava uma germânica, que se transferiria ao Brasil para morar. O casamento civil foi no Palácio Guanabara, o religioso no reservado convento de Santa Tereza.

A guerra continuava. Um pacato pai de família alemão, residente no Brasil desde 1920, que trabalhava na Siemens, entusiasmava-se com os planos do nazismo. Em 1939, em férias na pátria, deixou-se cooptar para o serviço clandestino na maior nação sul-americana. Recebeu treinamento básico, para preparar mensagens secretas e manipular equipamentos de longo alcance – e um codinome: “Ifreto”.

Hitler atacava em todas as frentes, mas os Estados Unidos estavam atentos. Havia mais de 1,5 milhão de alemães e descendentes na América do Sul, principalmente no Brasil e Argentina. Washington decidiu agir. Entendia que a parte subdesenvolvida do continente estava à mercê de nazista. O Brasil relutou em definir-se por motivos que se tornaram conhecidos. 
 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários