O submarino que não voltou

Manoel Hygino / 29/11/2017 - 06h00

Os jornais de sábado – 25 de novembro de 2017 – davam informações sobre o submarino argentino ARA San Juan, desaparecido então há dez dias no Atlântico Sul, com 44 tripulantes. O presidente Maurício Macri assegurou que as buscas continuavam, contando com o apoio total da comunidade internacional e avanços tecnológicos. A embarcação dera sua última mensagem no dia 15 de novembro, quando navegava em direção à sua base no porto de Mar del Plata, a 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires.

Esse tipo de tragédia já inspirou mais de um filme. Assim, se repetem os acontecimentos de 2000, na Rússia, quando um submarino nuclear daquele país “estava afundando no Mar de Barents, levando consigo 118 tripulantes, para usar as palavras da jornalista Masha Gessen. Ela confessa: “De todas as histórias dolorosas que precisei cobrir e que o povo da Rússia teve de testemunhar, o desastre do Kursk foi provavelmente a mais devastadora.

Durante nove dias, as mães, as esposas e os filhos dos homens que estavam a bordo – e, junto com eles, a Rússia inteira – conservavam a esperança de que alguns deles ainda estivessem vivos. Todo o país se manteve em vigilância enquanto a Marinha e o governo se atarantavam em tentativas de resgate. Equipes da Noruega e da Grã-Bretanha se puseram à disposição, mas foram rejeitadas, supostamente em virtude de cuidados relativos à segurança. E o pior foi que o novo presidente (Putin) ficou calado: estava de férias no Mar Negro”. 

O Kursk era uma metáfora da Rússia pós-soviética. Começara a ser construído em 1990, quando a União Soviética estava prestes a extinguir-se. Ficou pronto em 1994, “enquanto o império ruía”. O submarino nuclear era imenso, mas não passara por manutenção desde que lançado. Participara de sua primeira missão no verão de 1999, quando Putin subiu ao poder e participaria da primeira operação importante de treinamento exatamente em agosto de 2000. 

Gessen conta uma história dolorosa: o submarino e a própria Frota Russa do Norte não estavam preparados para o exercício. Os navios e os homens não preenchiam as exigências técnicas e legais para um exercício militar convencional.

Eis parte do texto original: “O submarino havia sido equipado com torpedos de treinamento, alguns dos quais com a data de validade vencida e o resto sem uma verificação adequada. Alguns tinham furos de ferrugem visíveis: os anéis de conexão de borracha de outros já tinham sido usados inúmeras vezes, numa nítida violação aos regulamentos de segurança. A morte está conosco aqui a bordo”, disse um dos tripulantes à sua mãe, referindo-se aos torpedos, seis dias antes do acidente”.

Temeridade e falta de respeito à vida. Os depoimentos são dramáticos. Foi um dos projeteis que pegou fogo e explodiu. Houve duas explosões dentro do submarino e a maioria da tripulação teve morte instantânea. Vinte e seis sobreviventes correram para uma área não afetada no interior da embarcação e esperaram socorro. Dispunham de equipamento para sobrevivência por algum tempo e confiavam ser salvos porque participavam de um exercício militar.

Os tremores da explosão foram captados por uma estação sísmica da Noruega, mas transcorreram nove horas para se iniciar o resgate frustrado. Era tarde, muito tarde, mesmo com os sobreviventes batendo o SOS pelo Código Morse. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários