Os problemas do Rio

Manoel Hygino / 07/08/2018 - 06h00

Causa dó aos brasileiros conhecer a situação a que chegou o Rio de Janeiro, cujo ex-governador, preso, já cumula mais de 100 anos de pena a ser cumprida. Como pode? Os fatos mais próximos em termos de tempo, ajudam a esclarecer a situação, mas não contribuem para solução. A Cidade Maravilhosa, de mesmo nome, foi capital brasileira até a transferência da sede do governo para Brasília, à época de JK, presidente. 

O Rio de Janeiro, cidade e estado se confundem, vivem drama permanente, em face dos problemas financeiros, urbanos e sociais, mais recentemente com ênfase a segurança pública. Mas quando se fala neles, lembra-se de Pereira Passos, prefeito da cidade durante o governo do presidente Rodrigues Alves (1902-06), realizador da remodelação urbanística conhecida como “bota abaixo”, mandado demolir pardieiros e abrindo novas avenidas, a mais importante a Beira-Mar; ao longo da faixa litorânea, que possibilitou o acesso a Copacabana. Diz a lenda que ele superou o atraso colonial, transformando “a cidade bárbara” em metrópole digna da civilização ocidental. O Rio dizia-se, “civilizou-se”; julgamento que não teria maioria hoje, se fizesse um plebiscito junto à população. 

Imagine-se que, naquela época, foi proibido cuspir no interior dos bondes e nas repartições (onde deveria existir escarradeira), ordenhar vacas nas ruas, vender loterias nos quiosques, mendigar e atirar polvilho durante o Carnaval. Prometeu-se instalar mictórios públicos em vias estratégicas. As novas seriam largas, para substituir as imundas e estreitas, onde se acumulavam lixo e doenças e, em terrenos vagos, se implantaram praças arborizadas. 

Operários, quase 2 mil foram contratados especialmente para essa tarefa. A esperança era de que o Brasil vê hoje que uma metrópole efetivamente surgiria. No entanto, o que o Brasil vê pela televisão é uma sucessão de barracos pelos morros, com estreitas passagens entre eles, um labirinto, barracos que podem servir de esconderijos para bandidos, alguns de alta periculosidade, vivendo ao lado de gente honesta.

O governador Pezão (pé grande ou de grande peso?), explica que o Rio de Janeiro tem os mesmos índices de criminalidade que os demais estados. E daí? A mobilização federal para a área de segurança, pelo menos tem prendido mais gente do que antes. Mandar para onde? 

Como se disse, no tempo do prefeito Pereira Passos pensava-se que o Rio de Janeiro se civilizara. Os dias eufóricos, contudo, ficaram para trás. Lá, no passado, repercutia a libertação dos escravos em 13 de maio de 1888. Na Câmara dos Deputados, projeto do ministro Ferreira Vianna, repercutia intensamente. Havia consenso de que a abolição trouxera consigo o fantasma da desordem. “Um grupo de autoridades exigia medidas para garantir a defesa da propriedade e da segurança dos cidadãos, ameaçados pelas ‘hordas’, de libertos que supostamente vagavam pelas estradas a furtar e rapinar”. 

Transcorridos mais de cem anos, o quadro presente não é de confiança da sociedade. Um parlamentar, Rodrigues Peixoto, fez discurso, então: “Em todos os tempos, o trabalho foi considerado o primeiro elemento de uma sociedade bem organizada. Cada membro da comunidade deve dedicar uma parte de seu tempo e do seu esforço no interesse geral, cuja inobservância apresente gravidade, o que autoriza de certo modo a intervenção do Estado”.
 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários