Venezuela: o perigo está perto

Manoel Hygino / 08/08/2017 - 06h00

O ininterrupto noticiário dos meios de comunicação em todo o mundo leva a uma indesviável pergunta: a Venezuela está em pé de guerra? As sucessivas manifestações, de que informa em cores e até ao vivo a televisão, oferece um panorama do drama que se vive mais ao Norte. 

Detentor da quinta maior reserva petrolífera do planeta, nos últimos tempos a Venezuela vive sob ameaça de ruptura institucional, embora se possa afirmar que é já neste clima que se passaram os anos mais recentes. O ápice está em 2017, quando militares e grupos paramilitares tentam conter pela força a população. 

Apesar de tudo, a oposição é forte e ousa enfrentar o governo de Nicolás Maduro, que sucedeu a Hugo Chávez, depois de sua morte por câncer, em Cuba, em que fora tratar-se. Com as garantias constitucionais interrompidas, com multidões nas ruas em protesto por tudo que lhe foi subtraído, desde a liberdade de imprensa ao papel higiênico, o presidente em exercício procurou uma saída com convocação de uma Assembleia Constituinte. Caberia a esta elaborar uma nova Carta Magna, mas o cidadão quer algo mais prático, viável e urgente, a começar pela alimentação que já falta. Pesquisas demonstram que cada homem e mulher do país perdeu oito quilos de peso pelas dificuldades ora experimentadas. 

Sem respaldo da maioria dos países democráticos, com imensas dívidas acumuladas, sem apoio agora do Mercosul, cujos membros exigem anulação da Constituinte aprovada há poucos dias, Caracas verdadeiramente está em um beco sem saída. Domingo, dia 6, houve uma tentativa sem sucesso, de levante militar no Forte de Paramacay, no estado de Carabobo. 

O chanceler uruguaio, Rodolfo Novoa, enfatiza que o Mercosul quer pressionar o governo venezuelano a que mude os seus rumos, considerados não democráticos. O Palácio de Miraflores, pois, não conta mais com apoio continental, restrito apenas a Cuba e Guatemala, a que oferece petróleo em condições especialíssimas. 

Sem apoio Legislativo, contando com um arsenal poderosíssimo comprado à Rússia, em época de vacas gordas, e com a disposição governamental de contrapor-se às oposições e aos reclamos de um povo, Caracas reconhece que milhares de cidadãos escaparam pelas fronteiras para sobreviver. As perspectivas são sombrias.

Sem embargo, Maduro, buscando consolidação no poder e o socialismo do século 21, insiste em seu projeto. Novas eleições para governador foram convocadas para 10 de dezembro, enquanto o pleito presidencial está agendado para o fim de 2018, embora a futura Constituição possa mudar o calendário.

Não haverá, sabe-se, tranquilidade. Maduro garante que “irá pôr ordem” no país, mas 500 opositores estão presos. A procuradora Luísa Ortega foi destituída do cargo e substituída, enquanto os mortos nos enfrentamentos populares contra a polícia e paramilitares chegam a além de uma centena.

Mais de mil são os feridos, alguns ainda internados. 

Nós estamos na proximidade do fogo. O brasileiro Oliver Stuenkel, professor da Fundação Getúlio Vargas, dá um conselho: “O Brasil precisa se preparar para a chegada de um número cada vez maior de refugiados”, embora também tenhamos nossos problemas.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários