Deficiência de aluguel

Postado em 17/07/2017 06h00
Alguns anos atrás me surpreendi com a mensagem na porta do banheiro em um restaurante com a frase: USE O DEFICIENTE. A frase truncada se referia ao fato de que o banheiro estava com defeito – como acabei percebendo depois – e era, portanto, apenas uma orientação para que fosse utilizado o banheiro...

Frente de Ideias fortalece compromisso com eleitor

Postado em 10/07/2017 06h00
Gabriel Azevedo, Irlan Melo e Mateus Simões* Seis vereadores de partidos distintos, reunidos em torno de propostas comuns: atuar pela solução dos desafios de cada uma das nove administrações regionais, além de elaborar e defender a aprovação de projetos de lei relevantes para Belo Horizonte e que...

Seis meses depois

Postado em 03/07/2017 06h00
Há seis meses começava o meu mandato como vereador. E já é possível fazer um primeiro apanhado. Cortes de gastos: abri mão de dois carros com motorista, 15 assessores e verbas de todo tipo. Desse modo, o gabinete vai economizar quase R$ 1 milhão por ano. Reuniões abertas: a cada 15 dias, uma...

A lei importa

Postado em 26/06/2017 06h00
O Estado Brasileiro deveria ser menor para o Poder Público cuidar do que efetivamente lhe compete: segurança, saúde, educação (apesar de minhas dúvidas sobre a forma atual dessa atuação) e pouca coisa além disso. Para alcançar esse objetivo, precisamos de menos normas. O problema é que nossa origem...

O Centro e o caos

Postado em 19/06/2017 06h00
A situação do centro da cidade tem se deteriorado em uma velocidade inacreditável nos últimos meses, especialmente no que se refere à presença ilegal dos ambulantes, que eram dezenas no início de 2016, centenas no início de 2017 e, menos de cinco meses depois, são já quase dois mil. E aqui, marco...

Chega de leis inúteis

Postado em 12/06/2017 06h00
Sempre me perguntei por qual razão a imprensa, ao falar de produtividade legislativa, prefere contar quantas leis são propostas ou aprovadas por um vereador, deputado ou senador, ao invés de contar quantas leis conseguiram revogar. Talvez isso se dê por falta de uma outra referência, mas a verdade é...

Reformar, desde que para melhor

Postado em 05/06/2017 06h00
Sou sempre a favor de reformas, pois não acredito que seja possível alcançar um estado de perfeição que permita o congelamento da realidade. Está em discussão na Câmara Municipal a reforma administrativa proposta pelo Prefeito de Belo Horizonte, pela qual se pretende: racionalizar a atuação do...

Dinheiro de ninguém

Postado em 29/05/2017 06h00
O gestor público deveria tratar o dinheiro dos impostos arrancados da população como quem cuida de recursos que pertencem a qualquer um – menos a ele, político, que deveria garantir que a vontade dos outros, e não a dele, fosse atendida. Todos gostariam de escolher o destino dado ao nosso dinheiro...

É preciso passar o país a limpo

Postado em 22/05/2017 06h00
Nunca me enganei sobre Temer ou Aécio, como não me iludo em relação a Lula, Renan ou Pimentel. O que choca nos últimos episódios da Lava Jato é menos a corrupção exposta e mais propriamente a desfaçatez de quem continua operando os grandes “esquemas” mesmo com todas as denúncias e delações já...

Perigo da escuridão

Postado em 15/05/2017 06h00
Estão enganados os que comemoram a troca das lâmpadas da iluminação pública de BH por LED, como se isso fosse, por si só, capaz de melhorar a condição de segurança da cidade. Belo Horizonte é uma cidade escura. As ruas, praças e parques da cidade, após o pôr do sol, são bolsões de escuridão que...

Farra com dinheiro público

Postado em 08/05/2017 06h00
Não há reforma possível no sistema político brasileiro enquanto existir o fundo partidário. É que com uma verba que chega a quase R$ 1 bilhão por ano, os partidos vão continuar a ser apenas estruturas de aluguel ou manutenção de poder, sem nenhuma preocupação programática ou ideológica, mas apenas...

Acabaram as chuvas, mas 2018 virá com as mesmas enchentes

Postado em 01/05/2017 06h00
Ao longo dos anos assisti aos canteiros centrais da Av. Bias Fortes serem alargados e estreitados ao menos quatro vezes. Nunca consegui entender qual a razão desse tipo de coisa, mas não é prática incomum. São as famosas “obras de perfumaria”, que pretendem vender uma ideia de movimento da gestão...