O que te move?

Tio Flávio / 21/07/2017 - 06h00

Tio Flávio*

Certo dia alguém perguntou, conduzindo-me a acionar lá no fundinho da mente um filme da minha vida: “O que te move?” A resposta é bem clara muitas vezes, mas se realmente aprofundarmos na pergunta, podemos passar a vida tentando achar as verdadeiras soluções dessa interrogação.

Hoje o Tio Flávio Cultural, maior movimento voluntário de Minas, mantém 20 projetos que acontecem simultaneamente, com cerca de dois a quatro gestores em cada um deles, que planejam e executam ações periódicas e mobilizam diversos outros voluntários, todos procurando ajudar o próximo, melhorar a nossa realidade social, mas que também querem suprir suas próprias carências no contato com o outro, desconhecido, mas humano e igual a todos nós.

Não somos uma ONG, nem OSCIP, somos um movimento, integrado por cerca de 400 pessoas que, sem remuneração ou finalidade financeira, sem vinculação partidária ou religiosa, levamos muito do nosso talento, afeto, carinho, atenção, olhar e audição a crianças, idosos, enfermos, presos, prostitutas, jovens estudantes, moradores de rua, pessoas possuidoras de síndromes diversas, dentre outros.

Em cada ação, em cada visita, em cada trabalho, vários aprendizados. Olhares doloridos ou cheios de esperança. Olhares cansados. Às vezes a troca de olhares já é a tônica da ação. Um apertar de mãos, um abraço. Tanta gente sofrendo, tanta gente precisando de afeto. Por outro lado, tanta gente reclamando do que não tem e deixando de ver o que efetivamente possui. 

Vemos tanta intolerância, até praticamos algumas. A descrença muitas vezes nos invade, em diversas situações da vida. Passamos a pensar que esse mundo é um ringue, que vence quem bate mais forte e derruba o oponente, por isso nos armamos para a guerra. Mas o melhor presente que recebemos é a maturidade, que vem pelo conhecimento, pela dor, pelas vivências e nos mostra que as nossas armas podem ser outras.

O que nos move? E a você, o que te move? Essas respostas são bem individuais, mas às vezes, sem perceber, ao sentir uma nova direção de vida, você acaba percebendo que muito mais gente se move em busca do mesmo caminho, nos ajudando a mudar realidades e mentalidades, começando pelas nossas.

(*) Palestrante, professor, autor de livros e idealizador do Tio Flávio Cultural

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários