Há quem acredite que o pelo é suficiente para mantê-los aquecidos. Alto lá! Temperaturas baixas, vento intenso e sensação térmica congelante incomodam não só humanos, mas são sinal de alerta também para a saúde dos pets. 

Durante o inverno, eles ficam mais sensíveis, sobretudo os mais magrinhos, que retêm menos calor. A recomendação é observar qualquer mudança de comportamento para saber quando e como aquecê-los.

As raças de cães de porte atlético e pelo mais baixo, como galgo e pincher, por exemplo, são as mais friorentas, diz a veterinária Andréia Turchetti, do Life Hospital Veterinário, em Belo Horizonte. Com elas e outras de padrão semelhante, não há porque economizar no conforto térmico. Invista em cobertas e roupas de tecido natural, como o algodão, mais folgadas e sem muitos apetrechos – zíper e botão, por exemplo, para não incomodá-los.

A buldog francês Pandora não dispensa um agasalho. Por morar em um bairro alto de BH, onde faz ainda mais frio, vive enrolada nas cobertas ou vestida. “Ela adora. É quase uma humana”, brinca a tutora dela, Tatiana Sales Villanueva, garantindo que, no frio, a pet, de 1 ano e meio, se sente melhor quando está agasalhada.

Pets no frio inverno

Pandora tem uma coleção de roupinhas, já que gostar de ficar agasalhada

Conforto

A estudante está certa. Observar o conforto do animal é fundamental para saber a hora de por ou tirar a roupa dele. “Não existe tempo certo para mantê-los vestidos. Alguns gostam, outros se sentem incomodados, se coçam e se esfregam para tirar a roupa. Interessante é notar se ele ficou prostrado ou se comportou naturalmente naquela situação”, ensina a veterinária. 

Ela lembra, no entanto, da importância da escovação diária dos pets de pelo longo, que podem ficar “embolados” depois de muito tempo vestidos. 

Os gatos, por sua vez, preferem se aquecer sozinhos e, quase sempre, rejeitam as vestimentas. Não force! Dê ao bichano a opção de cama, cobertor ou de um tecido macio que possa protegê-lo do frio quando ele assim desejar. 

No quintal

Para os que vivem no quintal, longe de mimos como cama acolchoada e roupinha, dê a opção de um local para se abrigar. Uma casinha coberta e paninhos são bem-vindos, assim ele poderá se esconder e ficar longe do frio. 

O ideal é que a estrutura, que pode até ser improvisada, seja posicionada contra as correntes de ar. A entrada deve estar, de preferência, voltada para a parede, mas com espaço suficiente para que ele entre e saia sem dificuldades. 

“Nem sempre é possível colocá-los para dentro de casa, mas é importante deixar sempre uma opção coberta ou adaptar uma estrutura para que ele se recolha e fique aquecido”, recomenda Andréia Turchetti. 

Pets no frio inverno

Dê ao bichano opção de cama, cobertor ou tecido macio, quando ele assim desejar