O desmame precoce de bezerros, prática já adotada com animais das raças holandesa e jersey, mostrou-se eficaz também com o girolando – responsável por 80% do leite produzido no Brasil. Estudo conduzido por pesquisadores do Instituto de Ciências Agrárias (ICA) da UFMG, em Montes Claros, revelou que suspender a dieta líquida aos dois meses impactou positivamente na quantidade de produto disponível para venda e, consequentemente, na renda do produtor. 

Além dos benefícios para o criador de gado de leite, ganha também o consumidor, já que a retirada prematura dos bezerros da mãe proporcionou maior controle de higiene na sala de ordenha. 

“É um animal a menos para defecar, por exemplo. Além disso, muitas vezes, eles colocam a boca na teta da vaca ou precisam ser manejados pelo tratador, interferindo na limpeza do ambiente”, explica o veterinário Eduardo Robson Duarte, professor na UFMG e um dos pesquisadores do estudo.

Ele ressalta que não houve prejuízos para a saúde dos animais, tampouco para a relação entre bezerros e vaca ou para a quantidade de leite produzido. “Os bezerros apresentaram bom ganho de peso e isso é muito interessante para o produtor, já que a silagem e o concentrado (dieta sólida) são, normalmente, mais baratos do que o leite e podem viabilizar a criação de machos leiteiros, frequentemente descartados após o nascimento”, detalha o especialista. Ao todo, 12 machos e 18 fêmeas foram avaliados durante dois anos.

Bom para todos

Na prática, o estudo, executado na Fazenda Experimental da UFMG, no município do Norte de Minas, mostrou que é possível facilitar o manejo nas propriedades rurais e beneficiar produtores e consumidores com o desmame antes dos oito meses (período médio em que os bezerros mamam nas vacas).

Pela prática, ao contrário dos habituais quatro litros de leite oferecidos diariamente, os animais desmamados receberam somente dois durante os primeiros 60 dias de vida, tendo a dieta complementada por alimentação sólida e silagem de sorgo. 

Ao longo do tempo, observou-se que as fêmeas ganharam mais peso do que os machos.

Importante ressaltar, no entanto, conforme o pesquisador da UFMG, que a opção de retirar o animal mais cedo ou deixá-lo mamando naturalmente deve ser avaliada por cada produtor rural. “É preciso colocar na ponta do lápis se realmente compensa naquele momento fornecer mais leite ao bezerro ou administrar a dieta sólida, no caso do desmame precoce”, explica, mencionando as oscilações de mercado quanto ao preço pago pelo litro de leite.

Além disso, reforça, há que se considerar também o custo do transporte envolvido na comercialização do produto. “Em Montes Claros, por exemplo, existem produtores que, dependendo da distância da fazenda, pagam caro pelo transporte (da fazenda à cidade). Se não for tão vantajoso vender (o leite), melhor que o bezerro mame”, diz.

Características

Raça predominante na produção leiteira nacional, o girolando nasceu do cruzamento entre gir e holandês. Entre as principais características estão alta rentabilidade tanto em sistemas rústicos quanto tecnológicos e facilidade de adaptação em diferentes tipos de manejo e clima.

Segundo a Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, sediada em Uberaba, no Triângulo Mineiro, existem, atualmente, 2.762 criadores associados no Brasil inteiro, estando quase metade deles instalados em território mineiro.

Gado girolando
Animais desmamados receberam somente metade da quantidade de leite habitual

Planejamento alimentar acelerou maturação de machos

Geralmente descartados após o nascimento ou vendidos a preços irrisórios para o mercado de processamento e confecção de embutidos, bezerros machos, quando desmamados precocemente, podem ter maior valor de mercado, devido ao ganho de peso e consequente aceleração da maturidade.
De acordo com o pesquisador da UFMG Mário Henrique França Mourthé, o estudo com girolandos em Montes Claros demonstrou resultados positivos também do ponto de vista da maturidade dos animais do sexo masculino, pouco produtivos em propriedades leiteiras e, portanto, muitas vezes considerados um problema. 

“Normalmente, com a prática, eles têm ganho de peso maior e se desenvolvem mais rapidamente, tornando-se adultos mais rápido também e, portanto, entrando em produção, tal como as fêmeas”, detalha Mourthé, professor da disciplina de bovinocultura de leite no campus de Montes Claros da UFMG.

De acordo com o pesquisador, entretanto, os resultados são consequência de um bom planejamento alimentar, que inclui a administração de leite – até os dois meses de vida – e de dieta sólida e silagem. 

Integrante da equipe de pesquisa, o veterinário Eduardo Robson Duarte lembra que os manejos nutricional e sanitário adequados são fundamentais para que o desmame seja feito de maneira saudável. Segundo ele, bezerros machos que consumiram grande quantidade do concentrado de soja e milho tiveram problemas intestinais e acabaram ganhando menos peso em relação às fêmeas.