Verdade seja dita: todo mundo deseja ter relações harmoniosas, livres de conflitos. Mais do que isso, deseja reconhecer e aceitar fraquezas e virtudes para viver em paz consigo mesmo. Como nem sempre discurso e prática estão afinados, o jeito de um acaba “esbarrando” na forma de agir do outro. Para dar cabo disso tudo, a chave é compreender-se melhor e aprender a desvendar o próximo, minimizando as chances de faíscas, típicas das relações interpessoais.

Para ajudar na identificação do que alimenta e do que esgota as energias de cada um e na “leitura” correta de outro, o (como ele se apresenta) meio mexicano e meio dinamarquês Jannik Laursen e o dinamarquês Daniel Nielsen desenvolveram um sistema de transformação pessoal baseado em tipos de personalidades. Vão do mais extrovertido ao introvertido máximo, passando por dois ambivalentes –que transitam bem por outros perfis. 

“Mudei a maneira de me ver, minha autoestima e passei a aceitar melhor minha personalidade e minhas relações. Hoje, vejo-me de forma totalmente diferente e positiva. Percebo como e quando estou usando meus pontos fortes e sei como agir diante das armadilhas. Tenho uma forma diferente de lidar quando estou estressada e cansada. Sei o que me recarrega e a partir daí o que fazer para regenerar minha energia e das pessoas à minha volta” - Luciana Hervoso

Fundamentado nas psicologias social e da personalidade, a ferramenta “Desenvolva Seu Elemento” pressupõe que o equilíbrio está no reconhecimento e aceitação do que se é na essência. “A chave é saber qual é seu elemento dominante e o das pessoas à sua volta, bem como adaptar a forma de se comunicar não só a partir do seu jeito, mas da personalidade do outro”, explica Jannik, cujo tipo dominante é o fogo.

Auto-aceitação

Na prática, é mais ou menos como regular o grau de ansiedade ou de inibição conforme o ponto de vista do outro. Isso vale para as relações no trabalho, em família e também conjugais. “O primeiro passo é abraçar sua verdadeira natureza e ficar mais confiante consigo mesmo. Fazendo isso, você vai parar de se rejeitar e de ter medo dos julgamentos”, detalha Daniel, um exemplar típico metálico: introvertido, quieto, com pouco movimento corporal e que venceu a dificuldade de falar em público ao respeitar a própria natureza e descobrir o que lhe revigora. 

“Vai muito além de uma teoria de personalidades. É uma autodescoberta e aceitação própria. Quando você entende, aceita e vive em seu elemento a vida passa a ser muito mais leve e fluida. Orgulho-me de características pessoais que considerava erradas ou tinha como fraquezas. Meus relacionamentos pessoais e profissionais também melhoraram muito à medida em que observo e respeito o elemento do outro” - Lívia Motta

Em passagem rápida por Belo Horizonte neste mês, onde estiveram pela primeira vez desde que passaram a ensinar a ferramenta mundo afora, em 2016, Jannik e Daniel ressaltam que é possível uma mesma pessoa ter mais de um elemento atuante na própria personalidade. 
Conforme Jannik, cada um de nós é definido por três estágios: biológico (a essência propriamente dita), natureza social (o que sociedade, amigos e parentes esperam de nós) e projetos pessoais (quando nos voltamos para aquilo que desejamos alcançar – a forma de atuar no trabalho, por exemplo). 

Ficou curioso? Tente identificar a sua e a personalidade das pessoas que conhece com a ajuda da ilustração ao lado. Jannik e Daniel voltam a BH em 1º de novembro. A agenda deles está no Facebook da dupla.

Outras informações com a terapeuta holística Fernanda Menezes: (31) 99719-4780

“Fui para uma das aulas por não saber mais o que fazer. Usava tudo o que sabia e nada me tirava do estado de tristeza, mal-estar e vontade de desistir do que havia conquistado. As classes me fizeram perceber a mim mesma e as pessoas ao meu redor. Tomei consciência daquilo que era requerido de mim para ter uma vida mais saudável e relacionamentos mais contributivos. Escolhi ser instrutora para possibilitar a todos serem mais felizes” - Mônica Girassol

 

Desenvolva Seu Elemento