Nestes tempos em que o frenesi por likes dita comportamentos, ficar bem na foto é mais que força de expressão. Pesquisa da Academia Americana de Plástica Facial e Cirurgia Reconstrutiva mostrou que a procura por procedimentos não cirúrgicos aumentou 55% de 2016 para 2017. Motivo? Ficar livre dos filtros embelezadores dos aplicativos e sentir-se 100% satisfeito com o resultado original das selfies

Aplicação de botox e rinoplastia encabeçam a lista das técnicas mais disputadas, comprovando a preocupação de um terço dos pacientes consultados com a naturalidade do pós-retoque. Em mais da metade dos casos, os procedimentos foram feitos em pessoas na casa dos 30 anos. 

O dermatologista Lucas Miranda reforça a teoria de que a “era das selfies” têm gerado uma corrida às clínicas de estética, sobretudo facial. “A autoavaliação através da foto é muito mais crítica do que pelo espelho. Mas, ao mesmo tempo em que vivemos uma geração que fotografa muito mais, as pessoas têm se preocupado, na mesma medida, com bem-estar, qualidade de vida e equilíbrio. Ninguém quer ficar esticado ou sem expressão”, pondera. 

Procedimentos estéticos para ficar bem na selfie
Consultora de imagem e influenciadora digital, Geralda não abre mão de estar com o rosto impecável; para o dermatologista Lucas Miranda, naturalidade deve vir em primeiro lugar 

Para o especialista, o mais importante é resolver a equação entre as queixas levadas pelo paciente e o que de fato mostra a avaliação profissional. “Muitas vezes, há uma dissociação entre aquilo que é reclamado e o que realmente precisa ser feito. Traço um mapa e seguimos um plano”, explica. 

Zoom no rosto

Adepta dos upgrades sem corte, a empresária, consultora de imagem e influenciadora digital Geralda Francisca, de 40 anos, ilustra bem a pesquisa realizada nos EUA. Botox, laser anti-manchas e procedimentos para estimular a produção de colágeno fazem parte da lista de “melhorias” realizadas por ela pelo menos a cada seis meses. 

“Adoro uma selfie e tenho hábito de dar zoom no meu rosto. Gosto de estar bem preparada em qualquer ocasião, mas parecer sempre natural”, diz, lembrando que prefere manter-se o mais próximo possível da aparência original.

Aos 33 anos, Nelma Luísa Alves de Araújo ainda não substituiu o espelho pela foto na hora de dar aquela conferida no visual. “Estabeleci limites para não viver escrava da perfeição. Meu acordo com a médica é não parecer outra pessoa”. 

Procedimentos estéticos para ficar bem na selfie
Para a médica Patrícia Lycarião, ideal é evitar que as “imperfeições” se instalem; paciente dela há um ano, Nelma cuida de pele para evitar rugas e corrigir olheiras

De fato, esse tipo de cuidado é essencial, lembra a médica Patrícia Lycarião, que atende a engenheira há um ano. Segundo ela, não há receita para definir se um rosto é mais, menos bonito ou se precisa dessa ou daquela intervenção. “Não há padrão de beleza nem receita de bolo para deixar um rosto mais harmônico. O que fazemos é colocar mais luz ou sombra em certos pontos da face, assim como se faz na fotografia”, explica.

Reparo nas pálpebras e facelift sem corte também integram a lista dos procedimentos apontados pela academia norte-americana

Individualização do tratamento e prevenção são fundamentais

Levar em conta a individualidade do paciente e as necessidades de cada rosto é tão ou mais importante do que simplesmente almejar a selfie perfeita. Biomédico com habilitação em estética, Thiago Martins lembra que buscar um profissional capacitado faz toda a diferença no resultado obtido.

“Muita gente se preocupa demais com o rosto e esquece do colo e do pescoço, por exemplo. O trabalho deve ser completo e preventivo para gerar resultados satisfatórios”, lembra o profissional. 

De olho em mudanças pontuais no rosto e que incomodavam principalmente nas fotos, a advogada Chiara Pontello resolveu, ao completar 30 anos, buscar soluções estéticas para garantir o viço da pele, sobretudo do rosto. O principal objetivo, segundo a moça, era evitar o agravamento de marcas desagradáveis, como linhas finas de expressão e rugas na testa, e ficar mais satisfeita com o autorretrato. 

Dica

Para quem alega falta de recursos, de tempo ou qualquer outro motivo para fugir dos especialistas, vai uma dica profissional para a próxima vez que se arriscar a fazer um clique de si mesmo: evite manter a câmera do celular a menos de 1,5 metro – distância considerada perfeita para não causar distorções faciais. 

Mais que isso: se optar por esticar o braço na hora da foto, fuja dos 30 centímetros entre o smartphone e o rosto. A essa distância, o nariz – um dos incômodos mais frequentes relatados nos consultórios médicos – pode parecer 30% mais largo! 

Procedimentos estéticos para ficar bem na selfie

“É inevitável o zoom no rosto após cada selfie para checar aquela linha de expressão ou ruguinha, que insiste em aparecer... ou não! Depois dos 30, a pele da mulher muda, inevitavelmente” - Chiara Pontello, 31 anos - advogada, que, há 1 ano, faz aplicações rotineiras de botox para evitar pés de galinha e o surgimento de rugas na glabela – ponto entre as sobrancelhas

Além disso:

Apesar de não haver uma fórmula para embelezar ou aperfeiçoar as feições de um paciente, os profissionais de BH têm visto uma procura maior por técnicas que ajudam a harmonizar as formas naturais do rosto e a estimular a firmeza da pele. O dermatologista Lucas Miranda, que atende no bairro Funcionários, Zona Sul da cidade, destaca o MD Codes como uma delas.

Pelo protocolo, que consiste na aplicação de preenchedores em pontos específicos do rosto, é possível conquistar o efeitoTop Model Look (algo como aparência de top model). "Modifica o rosto de forma bem natural e bonita, destacando as maçãs, como as da Angelina Jolie, deixando as bochechas mais joviais. Nos homens, conseguimos uma virilização maior da face, tornando a mandíbula mais quadrada e projetada", explica o especialista.

Com atuação direcionada principalmente para a estética, a médica Patrícia Lycarião destaca técnicas voltadas para a estimulação de colágeno como as queridinhas do momento. O skinbooster, por exemplo, pode ser comparado a uma hidratação, mas agindo de dentro para fora. "Refina e dá um efeito de iluminação, que é diferente de oleosidade, maravilhoso. Além de atenuar ruguinhas que já não podem ser tratadas com botox", destaca. 

Conheça alguns procedimentos queridinhos: 

  • Botox: paralisa o músculo, atenuando rugas e linhas de expressão, que aparecem com os movimentos musculares. Durabilidade: cerca de 4 meses. Preço: em torno de R$ 1 mil, variando conforme o número de áreas tratadas
  • Preenchimento: feito com ácido hialurônico, ameniza rugas finas ou profundas, como as do bigode chinês, minimizando olheiras e aumentando o volume dos lábios. Durabilidade: 1 ano. Preço: cerca de R$1.200 por seringa
  • MD Codes: protocolo que consiste na aplicação de ácido hialurônico em pontos específicos do rosto, como maçãs e mandíbula. O objetivo é criar aparência mais harmônica, melhorando contorno e definições faciais. Os resultados, imediatos, são potencializados em um mês. Durabilidade: cerca de 1 ano. Preço: R$ 1.200 por seringa
  • Rinomodelação: procedimento não cirúrgico, consiste em uma técnica de preenchimento com ácido voltada para melhorar a aparência do nariz, deixando-o mais arrebitado ou diminuindo o dorso (ossinho), por exemplo. Durabilidade: 1 ano e meio. Preço: R$ 2 a R$ 3 mil
  • Spectra XT: laser com frequência diferente do convencional, ajuda a controlar o melasma – manchas amarronzadas e sem cura. Atua em cicatrizes de acne e outras imperfeições da pele. Durabilidade: conforme os cuidados do paciente. Preço: cerca de R$ 300 por sessão
  • Skinbooster: espécie de hidratação injetável, que age de dentro para fora, é feita com ácido hialurônico, cuja função não é avolumar, mas melhorar a qualidade da pele. Aumenta o viço e a luminosidade e disfarça rugas finas já marcadas e que não melhoram com botox. Durabilidade: 1 ano. Preço: cerca de R$ 2.400 por três sessões
  • Bioestimulação de colágeno: técnica injetável feita com três diferentes substâncias, que ajudam a melhorar a flacidez, repondo o colágeno. Durabilidade: 1 ano e meio, 2 ou 4 anos, conforme a substância usada. Preço: de R$ 1.700 a R$ 2.200

33% dos pacientes que responderam à pesquisa norte-americana apontaram a aparência natural como objetivo ao fazer um procedimento estético