Yoselin Ortega, a babá dominicana que em 2012 matou as duas crianças sob seus cuidados, em Manhattan, foi condenada nesta segunda-feira (14) a prisão perpétua nos Estados Unidos.

A mulher de 56 anos alegava que cometeu o duplo assassinato - de Leo e Lucia Krim - durante um momento de loucura.

Leo tinha dois anos e Lucia, seis, quando foram esfaqueados e mortos no dia 25 de outubro de 2012.

Ao final de seis semanas de julgamento e apesar do testemunho de especialistas de que Ortega sofria de problemas psiquiátricos e se encontrava em estado "dissociativo" no momento dos crimes, o juri declarou a mulher culpada.

O juiz Gregory Carro aceitou o pedido dos pais das crianças e do promotor e determinou que Ortega, uma "narcisista maligna" e o "mal em estado puro" não recupere a liberdade sob qualquer forma.

Pela primeira vez desde o início do julgamento, Ortega falou, para pedir clemência em razão de sua doença mental. Com lágrimas nos olhos, se desculpou.

O crime ocorreu no apartamento dos Krim - uma família de classe média alta - em Upper West Side de Manhattan, na zona do Central Park. 

A mãe, Marina Krim, que havia saído para buscar uma terceira filha, na aula de dança, encontrou Ortega no banheiro do apartamento junto com as crianças esfaqueadas na banheira.

Leia mais:
Policial civil foge da detenção, mata mulher e as duas filhas dela
Homem é preso em Juiz de Fora suspeito de abusar sexualmente da filha de 14 anos
Médico é preso após cobrar por consulta em hospital do SUS de Governador Valadares