A Alfa Romeo poderá voltar ao mercado brasileiro em breve. O anúncio foi feito pelo novo presidente da Fiat Chrysler Automobiles (FCA) para a América Latina, Antonio Filosa, durante encontro com jornalistas em Belo Horizonte. O engenheiro de 44 anos, que assumiu o cargo no fim de março,será responsável pela implementação do plano estratégico que a FCA irá anunciar em 1º de junho em Londres.

Sem detalhar a programação para os próximos anos, o executivo nascido em Nápoles adianta que as marcas Fiat e Jeep irão intensificar esforços nos segmentos de maior potencial, como utilitários-esportivos (SUVs), picapes e fortalecer os modelos de entrada. 

“A taxa Selic nunca esteve tão baixa e a expectativa é a de que o crédito seja facilitado. Temos uma inflação controlada e previsão de investimento externo. Tudo isso impulsiona as vendas, pois o consumidor depende de crédito, assim como do empreendedor que busca modelos comerciais”, analisa Filosa. 

Com 20 anos atuando no Brasil e na Argentina, o italiano garante que o mercado já retomou o crescimento. Ele acredita que se chegará ao patamar de 3,6 milhões de unidades emplacadas, como foi em 2013.

Alfa Romeo
Essa visão positiva sobre o cenário econômico acena para a inclusão de mais marcas do grupo, como a Alfa Romeo. A marca milanesa retorna ao mercado argentino este mês e, em seguida, será oferecida no Chile. 

A possibilidade de voltar a vender o Coure Sportivo no Brasil está em análise. “Hoje sabemos como desenvolver um programa mais eficiente, com construção de rede exclusiva e praças. Produtos a Alfa Romeo tem, mas tudo deverá ser planejado com muito cuidado”, afirma Antonio Filosa, que não esconde os fracassos que foram as outras tentativas de vender a marca por aqui.

O executivo afirma, no entanto, que os últimos anos foram de extrema importância para a FCA, que teria construído uma base estratégica que lhe dará grande vantagem competitiva. 

“Deixamos de ser monomarca. Com a chegada da Jeep adquirimos experiência de negócio que nos permite trabalhar outras marcas do grupo, como a Alfa Romeo”.