O senador Antonio Anastasia (PSDB), pré-candidato ao Governo de Minas Gerais, anunciou que vai cortar secretarias e cargos da administração estadual, com a intenção de ajudar frear a crise fiscal que paira sobre o Estado, caso seja eleito no pleito de outubro.

Convidado para um debate nesta quinta-feira (12) com dezenas de prefeitos mineiros, na Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), em encontro promovido pela Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais (Amig) e Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte (Granbel), Anastasia voltou a criticar a gestão do governador Fernando Pimentel (PT), principalmente em relação aos sequenciais atrasos e faltas de repasses às prefeituras, diante de uma dívida que soma R$ 6,8 bilhões até este mês.

Nesse contexto, o senador falou em criar equilíbrio fiscal no Estado "sem mágica ou milagre" e adiantou que não será possível acertar todos os pagamentos no início do governo. "Vamos precisar de medidas urgentes, talvez heterodoxas e que vão levar tempo", disse o pré-candidato. Anastasia afirmou que pretende cortar secretarias e cargos do governo, além de promover uma reforma na administração pública, com o objetivo de desburocratizar e agilizar processos legislativos, como as licenças ambientais.

"Essa reforma administrativa não custará um centavo e vai acabar com procedimentos desnecessários, burocráticos. E a redução das secretarias não resolverá por si só o problema fiscal do Estado. Mas, o exemplo da austeridade é fundamental", disse Anastasia.