O Projeto de Lei (PL 313/17), que proíbe o uso de substância cortante em linhas de papagaio, foi aprovado, em 2º turno, nessa segunda-feira (9), na Câmara Municipal de Belo Horizonte. A proibição vale para o armazenamento, a comercialização, a distribuição e o manuseio de linha chilena, linha com cerol, ou qualquer outra substância cortante.

A multa para quem for pego soltando pipa usando esse tipo de material é de R$ 2 mil. Já quem armazenar ou vender os produtos deve ser multado em R$ 4 mil. O valor das multas dobra em caso de reincidência. 

O uso do cerol já é proibido na capital pela Lei 7189/1996. Porém, a linha chilena, uma mistura de madeira, com óxido de alumínio, silício e quartzo moído, muito mais potente que o cerol, não constava da norma. 

Agora, para entrar em vigor, o projeto precisa ser sancionado pelo prefeito Alexandre Kalil (PHS).

Denúncias sobre o uso de cerol ou linha chilena podem ser feitas pelo telefone 153.

Leia mais:
Motocicletas ganham antena de proteção em blitz da Guarda Municipal
Operação da Guarda Municipal apreende 70 latas de cerol e linha chilena em BH
Motociclista atingido por linha cortante na avenida dos Andradas se recupera no João XXIII
Falta de responsabilidade favorece livre comércio do cerol em BH