A fabricante alemã Borgward é uma marca centenária, fundada em 1890 e que quebrou em 1963. Há 10 anos, voltou à ativa após ter sido adquirida por um grupo chinês. De lá para cá, tem se dedicado ao segmento de utilitários-esportivos (SUVs) no mercado por lá, onde vende em média 3 mil unidades mensais.

A grande novidade da marca é o BX6, um jipinho com estilo cupê aos moldes de modelos como BMW X6 e X4, assim como os Mercedes-Benz GLE Coupé e GLC Coupé. O jipinho já tinha sido mostrado em 2016 como conceito e a versão final pouco mudou. Basicamente o escapamento integrado ao para-choques foi reposicionado para a instalação de luzes de neblina (que são indispensáveis nos empoeirados centros urbanos chineses).

Com desenho agradável, o jipinho é equipado com motor 2.0 turbo de 221 cv e 30,6 mkgf de torque, além de transmissão automática de seis marchas e transmissão integral. 

Mas se a carroceria segue os jipinhos maneiros da BMW e Mercedes, a parte frontal do BX6 tem clara inspiração na marca das quatro argolas. Basta reparar no formato da grade frontal e dos faróis.

Elétrico
A Borgward também anunciou uma versão elétrica para o BX7. O utilitário de porte médio recebeu dois motores (um para cada eixo) que combinados geram 39 mkgf de torque. 

A potência do BXi7não foi informada, mas a o fabricante garante que as baterias, instaladas sob o assoalho, fornecem 375 quilômetros de autonomia. 

A eletrificação tem ganhado força no mercado chinês, onde níveis de poluição nos grandes centros são considerados alarmantes e as administrações municipais já iniciaram um movimento de restrição de emplacamentos de automóveis com motores a combustão para tentar controlar as emissões.