Três brasileiros foram presos no Peru, no último sábado (7), acusados de terem participado de uma ousada ação criminosa na Bolívia, onde bandidos invadiram um quartel da Polícia Nacional e roubaram nove fuzis, cinco pistolas e munição

Junto com os brasileiros foram detidos dois bolivianos e um peruano. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Acre, os seis integram uma organização criminosa que planejava usar as armas bolivianas para assaltar um banco no Peru. O dinheiro obtido no assalto seria usado para financiar outras atividades ilícitas às quais a organização se dedica, como o tráfico internacional de drogas.

Quatro dos nove fuzis roubados na Bolívia foram apreendidos com os seis criminosos presos em Puerto Maldonado, na tríplice fronteira entre Brasil, Peru e Bolívia. A polícia peruana chegou aos seis criminosos a partir de uma ação conjunta que reuniu autoridades em segurança pública dos três países. Além da inteligência policial acriana, a Polícia Federal (PF) brasileira também colaborou para a identificação dos criminosos.

O quartel assaltado no dia 16 de junho fica na cidade de Porvenir, no distrito de Pando, próximo à fronteira com o Brasil e o Peru. Segundo o Ministério Público da Bolívia, o grupo armado roubou nove fuzis chineses AK-56, cinco pistolas Taurus PT-24/7 e carregadores. Durante a ação, soldados bolivianos foram feridos a tiros.

Dois dias depois do ataque ao quartel, militares bolivianos prenderam o brasileiro Odelio Becerra da Costa. Encontrado em um imóvel de Cobija, cidade boliviana poucos quilômetros distante de Porvenir, Costa portava uma pistola de uso exclusivo das forças militares bolivianas. A pedido do Ministério Público, que temia a fuga do brasileiro, Costa permanece detido, em caráter preventivo, na unidade penal de segurança máxima Chonchocoro, situada na região metropolitana de La Paz.

Leia mais:
Suspeito de roubo é preso em flagrante por guarda municipal após perseguição no bairro São Gabriel
PM prende suspeito de tráfico de drogas em local de grande índice de criminalidade em Mariana