Apesar do clima de animosidade entre PT e MDB na Assembleia Legislativa, caciques dos dois partidos têm aprofundado a perspectiva de um apoio mútuo entre as legendas, mirando o Palácio da Liberdade. Com o MDB ainda sem nome cravado para concorrer ao governo, o secretário-geral da legenda, Sávio Souza Cruz, confirmou que o partido vai trabalhar “até a última hora” para construir uma aliança com o PT.

“O que eu sei é que a construção da unidade (com o PT) é um desejo de todos os emedebistas”, disse Souza Cruz. Questionado se o MDB poderia apoiar a candidatura de Antonio Anastasia (PSDB), após o tucano declarar interesse em compor com os emedebistas e devido à tensão entre o presidente da Assembleia Adalclever Lopes (MDB) e a base governista, Souza Cruz rechaçou a hipótese. 

Nos bastidores, Adalclever tem sido cotado para concorrer a deputado estadual, e não mais ao governo, deixando a disputa interna do partido entre o vice-governador Antônio Andrade e o deputado federal l Leonardo Quintão. 

“O MDB foi oposição 100% do tempo em que ele (Anastasia) governou o Estado. Eu nunca ouvi do presidente (Adalclever) a proposta de se unir aos tucanos. Estamos há 20 anos num campo político e, de uma hora para outra, vamos apoiar nosso adversário? Isso não faz sentido”, completou Souza Cruz.

Uma possível união entre PT e MDB em Minas ganhou mais força após os emedebistas praticamente fecharem apoio à reeleição do governador Camilo Santana (PT), no Ceará. Para o deputado Durval Ângelo, líder do governo na Assembleia, esse movimento terá respaldo na disputa política mineira. 

“Lá (no Ceará), PT e MDB estão unidos, foram adversários nas últimas eleições, mas estão caminhando para apoiar o governador Camilo. Essa aliança é um indicativo para Minas”, disse Durval.

Reunião
Em reunião do partido, ontem, o vice-governador e presidente do MDB mineiro, Antônio Andrade, opositor ferrenho de Pimentel, não deu entrevista sobre as tensões com o PT.

Na reunião, o MDB deliberou sobre a criação de 40 comissões provisórias no Estado para o pleito deste ano. Além disso, cerca de 330 diretórios do partido registrados no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) por Antônio Andrade serão alvo de um pente-fino de Sávio Souza Cruz. 

“Os diretórios não passaram pela secretaria geral do partido, o rito não foi cumprido. Então, teremos que cumprir e, se necessário, registrar novamente no TRE”, explicou Souza Cruz.