Com atendimento humanizado e um modelo de negócio adaptado dos Estados Unidos para o Brasil, a Dr. Já apostou em Belo Horizonte para entrar no mercado das clínicas médicas com atendimento rápido e preços em conta.

Inaugurado em julho de 2016, o empreendimento, que fica na bairro Santa Efigênia, recebeu investimento de R$ 500 mil. Ainda foram feitas ampliações para abrigar estruturas de pronto-atendimento, consultórios e um laboratório para exames.

Dados da Agência Nacional de Saúde (ANS) apontam que, no Brasil, 1,3 milhão de pessoas deixaram de ser usuárias de plano de saúde em 2016, na comparação com o ano anterior. Em Minas Gerais, mais de 170 mil beneficiários se desligaram do sistema particular.

De carona nesse filão, em 10 meses de funcionamento a Dr. Já apresentou crescimento médio de 30%. A previsão é que em um ano os quatro sócios da clínica recuperem o investimento feito no negócio.

“Nosso principal pilar é o da humanização e um dos atrativos é o acesso fácil do paciente que não tem seguro de saúde ou não quer pagar caro. Esse modelo de atendimento urgente a preços acessíveis é muito difundido nos Estados Unidos e agora vem ganhando força no Brasil”, diz André Andrade, sócio responsável pela área de marketing da empresa.

No pronto-atendimento, a proposta é garantir que o paciente receba atenção de um médico em até 30 minutos. Além desse serviço, a clínica passou a disponibilizar agendamentos para consultas em 17 especialidades. São 20 profissionais e cerca de 2.500 pacientes cadastrados na Dr. Já, que planeja novidades para o aniversário de um ano. “Pode ser que haja ampliação de consultórios ou investimentos em aparelhos de raio-x e ultrassom”, adianta André.

Por meio de uma parceria com o laboratório Hermes Pardini, os exames feitos dentro da Dr. Já são 30% mais baratos. As consultas no pronto-atendimento, de leve a moderada complexidade, custam R$ 95. O valor de qualquer consulta especializada é R$ 129 e o tempo de espera para uma vaga no não ultrapassa duas semanas.