Pré-candidato ao governo de Minas Gerais, o deputado federal Rodrigo Pacheco, comunicou aos aliados a desfiliação ao MDB. Pacheco distribuiu a amigos da legenda uma carta de agradecimento na qual informa que decidiu deixar a sigla após decisão da mesma de alinhar-se ao PT nas eleições deste ano, pela reeleição do governador Fernando Pimentel. 

"Até mesmo nos momentos de divergência ideológica mais agudos, como a que agora motiva minha saída, mantive o respeito absoluto aos meus pares", afirmou. "Infelizmente, prevaleceram outras forças do partido, que levarão à reedição da equivocada aliança com o PT na eleição desse ano. Neste instante, para mim, fala mais alto o compromisso com o Estado de Minas, hoje destruído pela pior crise da sua história", completou Pacheco.

O pré-candidato irá se filiar ao Democratas na próxima segunda-feira em evento no Hotel Mercury, em que estarão pressentes as lideranças nacionais do partido, como o presidente nacional do Democratas, presidente da Câmara Rodrigo Maia, e  o prefeito de Salvador, ACM Neto. 

Pacheco agradeceu ao presidente do MDB, o vice-governador Antonio Andrade, que foi aliado dele durante a disputa interna emedebista. E também prestou homenagem às lideranças municipais. A carta é simbólica, já que o ato de filiar-se a outro partido, durante a janela para a troca, implica na desfiliação automática da legenda de origem. 

O deputado Fábio Ramalho (MDB) disse que o Estado passa por dificuldades financeiras em decorrência da crise nacional, bem como outras unidades da federação. “É muito fácil falar, mas muito fácil não fazer”, afirmou alfinetando o ex-colega de partido. 

 

Leia a íntegra da carta:

Amigos e amigas do MDB,

É com aperto no coração que venho até vocês comunicar a minha desfiliação do partido. 
No MDB, fiz amigos e companheiros de primeira hora, os quais me ajudaram muito nesta minha breve trajetória política. 
Tenho a plena e tranquila consciência que honrei a agremiação com um mandato de deputado federal digno, bem aprovado e a serviço do interesse público. 
Honrei também os valores históricos do MDB, como os de independência, coragem e respeito à democracia. 
Até mesmo nos momentos de divergência ideológica mais agudos, como a que agora motiva minha saída, mantive o respeito absoluto aos meus pares, algo próprio da minha personalidade.
Percorri toda Minas Gerais, na companhia do presidente Antônio Andrade e dos coordenadores regionais, verdadeiros guerreiros, buscando o caminho da candidatura própria do MDB ao governo do Estado.
Infelizmente, prevaleceram outras forças do partido, que levarão à reedição da equivocada aliança com o PT na eleição desse ano. 
Neste instante, para mim, fala mais alto o compromisso com o Estado de Minas Gerais, hoje destruído pela pior crise da sua história. 
Agradeço ao presidente Antônio Andrade, aos membros da executiva, aos colegas parlamentares e aos dedicados funcionários do partido. 
E faço, por fim, um AGRADECIMENTO ESPECIAL à base e militância do partido, prefeitos, vice-prefeitos, vereadores, coordenadores regionais, líderes políticos e filiados, essência mais pura do MDB. A vocês, o meu carinho e um até breve.
Rodrigo Pacheco