O delator Benedicto Junior, executivo da Odebrecht, disse que o senador Aécio Neves (PSDB) recebeu propina da empreiteira. De acordo com a revista “Veja”, BJ, como o executivo é conhecido, afirmou que a construtora fez depósitos para Aécio em conta sediada em Nova York.

Conforme a revista, BJ relatou que os valores foram repassados como “contrapartida” ao atendimento de interesses da construtora na obra realizada de 2007 a 2010 na Cidade Administrativa, em Minas, feita durante o período em que o político foi govenador do Estado, e, também, para a construção da usina hidrelétrica de Santo Antônio, em Rondônia, cujo consórcio participa a estatal mineira de energia elétrica Cemig. A Veja afirmou ter confirmado a denúncia de BJ com três fontes ligadas ao processo de delação organizado pela Odebrecht, que preferiram não se identificar.

A assessoria de Aécio Neves se manisfestou à Veja sobre o assunto, classificando a acusação de “falsa e absurda”. “Se confirmadas tais declarações — vazadas ilegalmente —, elas precisam necessariamente de comprovação, dada a gravidade de seu conteúdo”, disse a assessoria do tucano. O senador teria afirmado à revista ainda que essa é uma acusação da qual nem tem como se defender por não vir desacompanhada de detalhes, como o nome do banco ou o número da conta. No início da tarde deste sábado (1º), o senador mineiro publicou um vídeo na internet criticando a publicação.

Ainda conforme a Veja, as afirmações de BJ ainda serão investigadas, mas já teriam sido homologadas pelo Supremo Tribunal Federal. O delator já foi o terceiro homem mais importante da Odebrecht e presidiu a divisão de infraestrutura da empresa. Depois de Marcelo Odebrecht, presidente e herdeiro da construtora, BJ é o principal delator dos 78 que fecharam acordo com a Procuradoria-Geral da República.

*Com informações da revista Veja.