Foi pensando em atrair o infiel consumidor de e-commerce e proporcionar a ele maior conforto que o empresário Alexandre Abraão criou a Upperbag, loja virtual delivery. A proposta é enviar para a casa do cliente uma mala recheada com itens de vestuário, acessórios, cosméticos e calçados, e recolher após três dias, com a ajuda de um motoboy, o que o não foi parar no guarda-roupa do cliente.

Com cerca de 400 entregas por mês, a marca faturou R$ 500 mil em todo o ano de 2016. O negócio tem dado tão certo que a projeção para 2017 é que o faturamento mensal chegue a R$ 200 mil.

“O cliente do e-commerce não é fiel. No Brasil, de cada 100 pessoas que compram online, apenas uma volta para comprar no mesmo lugar. Por isso, temos que usar a criatividade e inovar na prestação de serviços”, diz Abraão.

O brasileiro cada vez mais tem se adaptado ao comércio eletrônico. O e-commerce no país fechou 2016 com faturamento de R$ 44,4 bilhões, crescimento de 7,4% ante os R$ 41,3 bilhões registrados em 2015, segundo relatório Webshoppers, divulgado pela E-bit, empresa de informações sobre o varejo eletrônico nacional.

O número de e-consumidores, conforme o relatório, passou de 39,14 milhões, em 2015, para 47,93 milhões, no ano passado, o equivalente a um crescimento de 22%.

Como funciona

O sistema da Upperbag é bem simples. Após preencher um cadastro no site da marca, o cliente escolhe as peças que quer conforme o seu estilo e tamanho. As bags são feitas sob medida para homens, mulheres e crianças, além de contar com opções plus size. Realizado o cadastro, um stylist entra em contato com o internauta para saber mais detalhes sobre suas preferências antes de enviar as peças em casa.

Os profissionais de venda e moda ficam atentos, ainda, aos perfis nas redes sociais e, quando é necessário, iniciam uma conversa via WhatsApp.
“É durante a conversa que muitos atendentes conseguem saber mais sobre o que o consumidor está de fato procurando. Muita gente não entende logo de cara como o site funciona, e acaba pedindo uma nova mala assim que a primeira é entregue. Já temos clientes que hoje nos pedem para ser avisados quando determinado peça do seu estilo chega à loja”, diz Abraão. Segundo ele, Belo Horizonte representa 5% dos 3 mil clientes cadastrados pelo país na Upperbag.


Serviço sob medida ajuda cliente a acertar nas compras online


O serviço da Upperbag, segundo Alexandre Abraão, idealizador da marca, busca corrigir uma falha do modelo de e-commerce, principalmente o de roupas: a impossibilidade de experimentar as peças antes da compra.

Virtualmente, o cliente não sabe quais os melhores caimentos, tecidos e combinações possíveis, aumentando a insegurança e até afastando-o da compra. “A princípio, pensei no sistema para atender o público masculino, mas logo as mulheres nos procuraram querendo também um bag personalizada. Foi assim que expandi para outros públicos”, diz Abraão.

A loja virtual está disponível para consumidores de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Paraná, além das capitais Porto Alegre (RS) e Brasília (DF). Para os envios de malas na cidade de São Paulo e região metropolitana não há cobrança de taxa de entrega. Nos demais locais, é cobrado um valor entre R$ 49 e R$ 99, revertido em créditos para compras.

São mais de 80 marcas parceiras, que cobram o mesmo preço praticado em lojas virtuais e físicas. As camisas, por exemplo, variam entre R$ 119 e R$ 299. As camisetas custam entre R$ 49 e R$ 149. Já O preço das calças estão entre R$ 89 e R$ 249.

Confira a coleção completa em: www.upperbag.com.br/