A conselho diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou um reajuste médio de 1,33% nas ligações de telefones fixos para celulares. A decisão foi tomada no dia 20 de janeiro, por meio de circuito deliberativo. O último aumento tarifário para esse tipo de chamada havia sido autorizado em 29 de setembro de 2015.

O reajuste varia de empresa para empresa e vale apenas para os assinantes do plano básico de telefonia fixa em chamadas locais ou de longa distância nacional.

Para que os novos valores possam entrar em vigor, as teles terão que dar ampla publicidade ao reajuste, com antecedência mínima de dois dias.

A Vivo poderá aumentar o valor das chamadas de fixos para celulares em 2,28%; a Oi, em 1,67%; a Claro, em 0,88%; a Sercomtel, em 1,35%; e a Algar Telecom, em 0,10%.

A Anatel reajustou também o valor das ligações de telefones fixos para o serviço de trunking (comunicação por rádio, caso da Nextel). Para a Vivo, o reajuste será de 2,28%; para a Oi, 1,03%; para a Sercomtel, 1,35%; e para a Algar Telecom, 0,10%. Para a Claro, não haverá alteração.

Leia mais:
Correios vira operadora celular, e BH será segunda cidade a receber o serviço
Banda larga fixa não terá franquia em curto ou médio prazo, diz Anatel
Anatel publica consulta para adaptar telefonia pública ao regime privado

Alcance

Atualmente, a base de assinantes de telefonia fixa é de 40 milhões de linhas, mas, desse total, 23,9 milhões são prestados pelas concessões, com tarifa calculada pela Anatel. Os outros 17,1 milhões são ofertados por empresas autorizadas, que praticam preços livres e não são afetados pelo reajuste.

O aumento também não atinge os usuários de planos alternativos, nos quais se enquadra a maioria das linhas. De acordo com os dados mais recentes da Anatel, de junho de 2015, apenas 25,3% dos assinantes da Oi usam o plano básico de telefonia fixa; na Telefônica/Vivo, são 9,64%; na Algar Telecom, 8,60%; na Sercomtel, 7,87%; as informações sobre a Claro não foram divulgadas.