O Brasil deve crescer 0,2% neste ano e recupera-se de forte recessão, que levou o PIB a cair 3,6% no ano passado, comentou Alejandro Werner, diretor do departamento de Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI). Ele apontou que a América Latina está registrando forças de desaceleração do nível de atividade, vindo de algumas nações, que inclusive têm origem no combate à corrupção, "que gerou efeitos macroeconômicos relevantes" ao Brasil.

Leia mais:
Brasil perdeu 63.624 vagas formais de emprego em março, aponta Caged
Economia mundial acelera, mas escolhas 'erradas' podem interromper, diz FMI