O impacto da eleição de Donald Trump sobre a economia brasileira não se limita ao dólar, que nessa segunda-feira (14) subiu pela quinta sessão seguida e chegou a R$ 3,44, acumulando alta de 8% nesse período. A escolha do novo presidente dos Estados Unidos criou uma nuvem de incerteza sobre a maior economia do mundo e cada vez mais analistas apostam que a queda do juro no Brasil será mais lenta que o imaginado inicialmente. Além disso, economistas acreditam que a recessão brasileira será ainda mais profunda em 2016 e a tão esperada recuperação de 2017, menos intensa.

Na primeira pesquisa realizada pelo Banco Central com analistas de mercado após a eleição nos EUA, o mercado deixou de acreditar que o Comitê de Política Monetária (Copom) acelerará o ritmo de corte do juro. Até a semana passada, analistas apostavam em redução de 0,50 ponto na taxa Selic, para 13,5% ao ano, na reunião dos dias 29 e 30 deste mês. Tal cenário indicava a crença de que o BC seria mais agressivo, já que em outubro a taxa foi cortada em 0,25 ponto.

Leia mais:

Alta do dólar já causa preocupação no governo

Cúpula do clima busca saída anti-Trump

Com Trump eleito, porém, as coisas mudaram. Agora, o mercado aposta que o BC manterá o mesmo ritmo, com redução de 0,25 ponto, para 13,75% ao ano, no encontro do fim do mês.

Uma das primeiras instituições a mudar a previsão foi o Itaú. Em 10 de novembro, o banco reduziu a previsão de corte da Selic no fim do mês também para 0,25 ponto. "Os mercados deverão permanecer arredios e agitados durante várias semanas, até que acabem as incertezas sobre a equipe e as intenções de Trump. Neste ambiente não tão benigno, o Copom provavelmente vai preferir proceder de forma gradual", citaram os economistas do Itaú em relatório.

Essa cautela deve se prolongar em 2017. Na pesquisa Focus, a maioria do mercado ainda não alterou o prognóstico para o juro no fim do próximo ano, mas o grupo dos economistas que mais acertam as projeções de médio prazo - o chamado Top 5 - já elevou a estimativa para a Selic do próximo ano de 11,25% para 11,5%. Ou seja, o juro continuará em queda em 2017, mas em ritmo menos intenso após Trump.

Com Trump na Casa Branca, economistas preveem que o governo dos EUA deve aumentar os gastos com investimentos e outras despesas. Isso ajudará a atividade, mas tende a aumentar a inflação. Para reagir a esse efeito colateral, o Federal Reserve (o banco central dos Estados Unidos) deve acelerar o processo de alta do juro em curso. Assim, mais recursos migrarão aos EUA atrás dos juros, o que fortalece o dólar e desvaloriza moedas de outros países, especialmente os emergentes. Em economias como o Brasil, isso gera inflação, o que exige mais cautela com os juros.

Cenário

"O efeito Trump pode acelerar o fim do interregno benigno para emergentes", disse Solange Srour, economista-chefe da ARX Investimentos. Para ela, os especialistas ouvidos no Focus deverão esperar a divulgação do IPCA-15 de novembro, que deverá ocorrer no próximo dia 23, para avaliar se alteram ou não suas previsões para a Selic num horizonte de tempo mais longo, relativo ao encerramento do próximo ano.

As incertezas em torno da política econômica de Donald Trump e seus impactos sobre as economias emergentes também tiveram influência na revisão, para pior, das projeções para a atividade no Brasil, com recessão maior em 2016 e recuperação mais lenta em 2017.

Na pesquisa do Banco Central, as estimativas para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano indicaram retração de 3,37%, ante queda de 3,31% projetada uma semana atrás. Para 2017, o cenário está menos favorável e a perspectiva de crescimento caiu de 1,20% para 1,13% em uma semana.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.