Se a mudança no perfil comprador da China trouxe perdas de receita para a mineração, ela também abriu novos mercados para o agronegócio. No primeiro bimestre do ano, Minas já registrou aumento de 40% nas exportações de carne bovina na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Desse total, um dos principais destinos é o gigante asiático, já que a retirada dos embargos ao produto brasileiro impulsionou novamente as exportações. Com o dólar em alta, especialistas do setor apostam que o ano será positivo para os produtores de carne mineiros.

“Em breve devemos iniciar a exportação de carne in natura para os Estado Unidos. O cenário para 2016 é bastante positivo e Minas pode ganhar muito com isso. O Estado em breve irá construir um fundo de defesa sanitário, o que nos dará ainda mais credenciais como bons exportadores”, explica o analista de agronegócio da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Wallisson Fonseca.

Frango

No contexto nacional, a carne de frango está no quinto lugar do ranking de exportações agropecuárias para a China. As vendas do produto saíram de US$ 40,6 milhões (20,5 mil toneladas) em fevereiro de 2015, para US$ 52 milhões (30 mil toneladas), no mês passado.

A carne suína também foi mais exportada no primeiro bimestre de 2016. Dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) revelam que 99,3 mil toneladas foram embarcadas para todo o mundo nesse período, valor 77,5% superior ao registrado no mesmo bimestre de 2015.

Cinco maiores

Segundo informações da ABPA, a China se consolidou entre os cinco maiores compradores de carne suína do Brasil. O país foi destino de 4,5 mil toneladas nos dois primeiros meses deste ano contra 56,7 toneladas no primeiro bimestre de 2015.

Contudo, à frente do gigante asiático estão a Rússia, com 36,3% do total da demanda, Hong Kong, com 28,1%, Cingapura, com 6,8%, e Angola, com 5,4%. A China foi o destino de 4,6% das exportações da carne brasileira no primeiro bimestre do ano, segundo levantamentos da ABPA.

Apesar do destaque das carnes brasileiras, a soja em grão ainda é o carro-chefe das exportações brasileiras para o gigante asiático. Em fevereiro, os embarques do produto somaram US$ 555,3 milhões ante US$ 193,2 milhões no mesmo mês do ano passado. No segundo lugar do ranking está a celulose, que passou de US$ 136,7 milhões para US$ 166,4 milhões no mesmo período.

 

Exportações de carne mineira crescem, puxadas pela demanda do gigante asiático 1