O número de idosos inadimplentes cresceu 13,6% em maio em comparação com o mês anterior segundo dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) das CDLs em Minas Gerais. O motivo principal seria a combinação de aumento dos gastos com planos de saúde e remédios, aliados à redução da renda por causa da aposentadoria.

Leia mais:

Porcentual de cheques devolvidos atinge 2,39%, aponta Serasa
Inadimplência faz leilões de imóveis quadruplicarem em Minas
Inadimplência de microempreendedores chega a 59%

Além disso, segundo o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), Bruno Falci, outro problema é a falta de planejamento, já que de dez idosos entrevistados, cinco possuem três ou mais cartões de crédito e ou débito.

“O recomendado é que cada pessoa tenha no máximo dois cartões, pois assim fica mais fácil controlar os gastos e evitar compras por impulso”, afirmou.

A única faixa etária que apresentou queda (-20,51%) no número de pessoas inadimplentes foi a de 18 a 24 anos. Depois dos idosos, os consumidores que registraram o maior crescimento de inadimplência (9,18%) concentram-se na faixa etária de 50 a 64 anos. Em seguida aparecem de 40 a 49 anos (7,63%); de 30 a 39 anos (5,14%) e de 25 a 29 anos (0,28%).

Além da faixa etária, outro critério de comparação é o que separa homens e mulheres. Segundo os dados da pesquisa, as mulheres foram responsáveis pelo maior crescimento da inadimplência (3,83%) no mês de maio, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Entre os homens, esse índice teve alta de 2,44%.

Gráfico Inadimplência

Dívidas

As dívidas em atraso em Minas Gerais tiveram um crescimento de 3,72% em maio deste ano, na comparação com o mesmo período em 2015. O presidente da CDL/BH explica que os dados mostram que o aumento da inflação tem comprometido muito a renda das famílias.

“Além disso, os juros elevados acabam dificultando a negociação dos débitos, pois as dívidas ficam mais caras”, comenta.