O presidente da República, Michel Temer, afirmou, em seu discurso na cerimônia de posse do Conselho da Câmara Americana de Comércio (Amcham) em São Paulo, que não poderia deixar de falar da "questão da carne brasileira". Ele afirmou que a totalidade das plantas frigoríficas no Brasil, em número igual a 4.850, não pode ser prejudicada por episódios pontuais.

O peemedebista ressaltou que, do total de frigoríficos em funcionamento no Brasil, apenas três foram interditados e 19 serão investigados. "Serão investigados. Não quer dizer que foram julgados", disse Temer, lembrando que no domingo se reuniu com empresários e embaixadores de países importadores da carne brasileira e depois foram para uma churrascaria.

Leia mais
União Europeia pede que Brasil suspenda exportações de frigoríficos envolvidos na 'Carne Fraca'
Agricultura exonera superintendentes do Paraná e Goiás envolvidos na Carne Fraca
Falta fiscalização e transparência, diz delator da Carne Fraca
Secretário de Defesa Agropecuária diz que não há risco sanitário na carne
Temer tem reunião hoje à tarde para discutir reflexos da Carne Fraca na economia

Temer ressaltou ainda que das 853 mil embarques de carnes para o exterior ao longo dos últimos seis meses, apenas 184 foram consideradas pelos importadores fora da conformidade, muitas vezes por causa de temas não sanitários, como rotulagem e preenchimento de certificados.

O presidente disse ter feito questão de tratar do assunto na posse do Conselho da Amcham porque os Estados Unidos são um grande comprador da carne brasileira.

Resposta
Um dos frigoríficos investigados, a JBS informa, por meio de nota, que "qualidade é a sua maior prioridade e a razão de ter se transformado na maior empresa de proteína do mundo."

Leia a nota na íntegra:

A JBS exporta para mais de 150 países, como Estados Unidos, Alemanha e Japão. É anualmente auditada por missões sanitárias internacionais e por clientes.

No Brasil, há 2.000 profissionais dedicados exclusivamente a garantir a qualidade dos produtos JBS e das marcas Friboi e Seara. Todos os anos, 70 mil funcionários têm treinamento obrigatório nessa área.

No despacho da Justiça, não há menção a irregularidades sanitárias da JBS. Nenhuma fábrica da JBS foi interditada. Ao contrário do que chegou a ser divulgado, nenhum executivo da empresa foi alvo de medidas judiciais.  Um funcionário da unidade de Lapa, no Paraná, foi citado na investigação. A JBS não compactua com desvios de conduta e tomará todas as medidas cabíveis.

Por fim, a JBS reforça seu comprometimento com a qualidade de seus produtos e reitera seu compromisso histórico com o aprimoramento das práticas sanitárias.