Dividir o carro com um colega de trabalho ou da faculdade que more perto da sua casa pode ser a saída para tirar das ruas boa parte dos veículos particulares que circulam diariamente em Belo Horizonte, melhorando não só a mobilidade urbana, como também a qualidade de vida da população.
 
Se, pela “boa ação”, o dono do carro e quem pegar a carona for recompensado, a prática pode ficar ainda melhor. Esse é o mote do aplicativo Zumpy, que começa a funcionar esta semana na cidade, mediante investimento de R$ 350 mil. O app pode ser baixado gratuitamente para android e computador. Na semana que vem, estará disponível para IOs. A previsão é a de que 10 mil usuários se inscrevam no primeiro mês.
 
 
Mina de carajás
 
O projeto, que levou seis meses para sair do papel, foi idealizado por André Andrade, diretor da Visual Virtual, empresa de computação gráfica responsável pelo desenvolvimento de um conhecido software de realidade virtual utilizado na mina de Carajás, no Pará. 
 
O Zumpy é o primeiro app elaborado pela companhia e é considerado pelo executivo como um “projeto pessoal”. Para cobrir os custos e lucrar, no futuro ele pretende comercializar anúncios no programa. 
 
O app funciona de maneira simples. O usuário faz o download e se cadastra a partir de uma rede social. Depois, ele informa a rotina diária, como horário de saída, trajeto percorrido, destino, horário de volta para casa. O programa se encarrega de mostrar amigos de rede social ou amigos de amigos que têm perfis parecidos. Ou, ainda, o usuário pode se inscrever em grupos de faculdades, empresas ou eventos, por exemplo. 
 
“Nosso objetivo é unir pessoas que façam o mesmo trajeto, sem tirar ninguém do caminho, mas retirando carros das ruas”, diz Andrade. Como consequência, sempre que alguém ceder um espaço no carro ou quando alguém pegar uma carona, essa pessoa ganha pontos. São os chamados Zmoney, que podem ser trocados por produtos ou descontos nas empresas parcerias, como casas noturnas, lojas de roupas, serviços automotivos e de beleza. Os descontos chegam a 98%. O usuário também “sobe de nível”, aumentando a possibilidade de descontos nesses mesmos parceiros. 
 
 
Demanda de capital
 
Outro produto que tem o objetivo tirar veículos das ruas é o site CabeMaisUm. Idealizado por Breno Nunes, o projeto prevê desenvolver redes de carona para públicos específicos, como faculdades e empresas. “Já temos várias empresas interessadas, inclusive de grande porte, mas precisamos de capital para desenvolver o produto”, afirma Nunes. Segundo ele, faltam cerca de R$ 100 mil para colocar o site em funcionamento. 
 
Como as redes são fechadas para empresas e faculdades, o idealizador ressalta que a segurança é maior. “Só entram nos sites pessoas com uma chave, ou seja, com número de matrícula ou inscrição, por exemplo”.
 
Ainda segundo ele, uma rede mais ampla, voltada ao público geral, também será desenvolvida. Esta, no entanto, terá as redes sociais como apoio para a base de dados. O financiamento coletivo, também conhecido como crowdfunding, tem sido considerado por Nunes para a obtenção de capital.