Ex-deputado estadual pelo MDB e conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado (TCE) após denúncia de corrupção, Domingos Brazão prestará depoimento nos próximos dias sobre a morte de Marielle Franco (PSOL) e Anderson Gomes. A investigação tenta relacionar Brazão e uma testemunha-chave do caso, um miliciano que apontou como mandante do crime o vereador Marcelo Siciliano (PHS).

Domingos é irmão do vereador Chiquinho Brazão (Avante) e seria desafeto político de Siciliano porque ambos disputariam votos na zona oeste do Rio. Os dois negam as acusações. A polícia investiga se Marielle foi morta para incriminar alguém em particular - ou se alguém se aproveitou do crime para incriminar desafetos. 

 

Leia mais:
Mãe de Marielle é acolhida por mulheres que eram amparadas pela filha
Família de Marielle relata angústia com falta de informações da polícia
Anistia Internacional cobra atuação mais ativa do MP no caso Marielle