O corpo do ex-deputado pelo PDT do Rio Grande do Sul Carlos Araújo começa a ser velado às 15 horas deste sábado (12) na Assembleia Legislativa do Estado. Araújo, ex-marido da ex-presidente Dilma Rousseff, faleceu no início da madrugada em Porto Alegre. Ele estava internado na UTI da Santa Casa de Misericórdia da capital gaúcha desde o dia 25 de julho, devido a um quadro de cirrose. Mas a causa da morte não foi divulgada.

O velório, que será aberto ao público, se estenderá até as 19 horas. Depois, o corpo será cremado em cerimônia restrita aos familiares.

Além de Paula Rousseff Araújo, filha que teve com a ex-presidente em 1976, ele deixa dois filhos, Leandro e Rodrigo, de outro relacionamento, e dois netos, Gabriel e Guilherme.

Jornada

O ex-deputado e Dilma se conheceram em 1969, quando militavam contra a ditadura militar na Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares). Eles ficaram juntos até 2000.

Ele nasceu em 1938, em São Francisco de Paula, no Rio Grande do Sul, e teve contato com a militância comunista desde a adolescência. Em 1958, aos 20 anos, ele participou do Festival Internacional da Juventude, em Moscou, na União Soviética.

Na luta contra a ditadura militar, usou o codinome de Max. Dilma era Estela. Ambos foram presos e torturados pelos militares.

Após a redemocratização, Araújo se filiou ao Partido Democrático Trabalhista (PDT), de Leonel Brizola. Pela legenda, foi eleito para três mandatos de deputado federal entre 1980 e 1990. Em 2000, ele se afastou do partido. Em 2012, se reaproximou como conselheiro de alguns nomes.