As exportações do agronegócio mineiro totalizaram US$ 7,9 bilhões no ano passado, com crescimento de 8,1% em relação a 2016. O valor total de vendas é o maior desde 2014, quando foram comercializados US$ 8,1 bilhões. Nos dois últimos anos, 2015 e 2016, as vendas foram de US$ 7,3 bilhões e US$ 7,4 bilhões, respectivamente. O melhor ano do setor no Estado foi em 2011, quando foram vendidos ao mercado externo US$ 9,7 bilhões.

Em 2017, dois setores contribuíram para esse aumento: o sucroalcooleiro e a soja. Os números foram divulgados pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), com base em dados do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Segundo o Superintende de Abastecimento e Economia Agrícola da Secretaria de Agricultura, João Ricardo Albanez, a expectativa para 2018 é alcançar um número ainda maior. A projeção é baseada no provável desempenho do café, que em 2017 não teve um ano bom, mas deve apresentar uma safra melhor, já que é uma cultura cíclica, que oscila a cada temporada.

No ano passado, o valor alcançado com as vendas externas da safra de café teve declínio de 2% em relação a 2016. Mesmos assim, a cultura representou 43,4% do valor total exportado pelo agronegócio mineiro em 2017: foram 20,5 milhões de sacas –84% da safra mineira.

O valor alcançado com a comercialização foi de US$ 3,4 bilhões. Albanez ressalta que o café já chegou a representar metade das exportações do agronegócio mineiro. Agora, com a participação mais efetiva de outros setores, o Estado começa a apresentar uma maior diversidade na produção, o que contribui para não ficar refém de uma cultura, apenas.

O segundo colocado na pauta são produtos do complexo sucroalcooleiro, que responderam por 16,5% do valor total exportado, alcançando US$ 1,3 bilhão, com crescimento de 11,2% no valor comercializado. Segundo a Seapa, este resultado é recorde e se deve à valorização do açúcar no mercado internacional.

Já o complexo soja (grãos, farelo e óleo) também apresentou recorde ao alcançar a terceira colocação, correspondendo a 13,9% do total, com US$ 1,1 bilhão comercializados e volume de 2,8 milhões de toneladas. A soja em grão foi exportada para 26 destinos, liderados pela China que importou sozinha aproximadamente 90% da soja mineira.

Em relação às carnes, quarto colocado, o faturamento foi US$ 964 milhões – 12,1% do valor exportado da pauta do agronegócio mineiro e crescimento de 25% em relação ao período anterior. A carne bovina foi a responsável pelo crescimento do segmento, com venda US$ 598 milhões – 68.7% mais em relação a 2016.