O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin decidiu nesta quinta (10) não incluir o presidente Michel Temer no inquérito que investiga integrantes do PMDB da Câmara dos Deputados no âmbito da Operação "Lava Jato", núcleo que ficou popularmente conhecido como "quadrilhão" do PMDB. O pedido foi feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Na decisão, Fachin entendeu que o presidente já é investigado pelo crime de organização criminosa no inquérito que foi aberto pelo Supremo a partir das delações da JBS, sendo “desnecessária” a inclusão de Temer em outro inquérito.

O pedido para incluir o presidente no inquérito que investiga o PMDB havia sido feito pela Polícia Federal (PF), o que levou Fachin a solicitar a manifestação de Janot sobre o assunto. O procurador-geral da República disse que a organização criminosa que permitiu ao presidente cometer os crimes pelo qual foi denunciado no Inquérito 4.483 (em que Temer foi denunciado por corrupção passiva e está suspenso após a continuidade do processo não ter sido aprovada na Câmara dos Deputados), na verdade, estaria inserida no contexto maior da "Lava Jato".

O inquérito sobre o PMDB tem, no momento, 15 investigados, entre eles, o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o ex-ministro Henrique Eduardo Alves.

Leia mais:
Sem Janot no comando da PGR, Michel Temer diz que 'Lava Jato' terá 'rumo correto'
Defesa pede que Fachin rejeite incluir Temer no inquérito do 'quadrilhão' do PMDB
Janot pede ao STF inclusão de Temer no inquérito do 'quadrilhão' do PMDB