Na semana passada, Sérgio Marchionne, o presidente da Fiat-Chrysler (FCA) apresentou o plano estratégico do grupo para os próximos cincos anos. Na ocasião foi dito sobre novos produtos Maserati, Alfa Romeo, Jeep e Ram, assim como a nova geração do elétrico 500e e sua versão perua, Giardineira, que resgata o nome da peruinha dos anos 1960. Mas e Betim?

Bom, para Betim pouco foi dito na reunião em Roma. No entanto, os executivos têm planos para a maior fábrica do grupo, localizada às margens da rodovia Fernão Dias. Segundo nosso “Garganta Profunda”, serão produzidos quatro novos modelos na planta mineira.

Serão três utilitários e uma nova picape pequena, que começarão a ser entregues a partir de 2020 ou 2021. Segundo nossa fonte, essa picape pode ser um terceiro produto entre a Strada e Toro, ou até mesmo uma nova geração da Strada, lembrando que a veterana desde 1998 só passou por plásticas. 

Nesse intervalo de hoje até 2020, nosso informante disse que a marca concentrará em lançamentos de novas versões e reestilizações de modelos da gama atual. 

Fora das dependências da Fiat, a imprensa especializada já dá como certa uma reestilização pesada da Strada, que passaria a contar com seção frontal herdada do Mobi ou do Argo para cortar de vez o cordão umbilical com o Palio. 

UTILITÁRIOS

Nossa fonte assegurou que serão três modelos até 2020, que ocuparão os segmentos A, B e um terceiro entre o C e D. Neste caso corresponde a um modelo maior que o Jeep Compass.

O “Garganta Profunda” de nossa reportagem foi enfático em dizer que são três UV’s, sigla para Utility Vehicle. Trata-se de uma denominação mais ampla que as dos SUV’s e que engloba praticamente qualquer automóvel de proposta aventureira, que vai do Ka Freestyle a até peruinhas anabolizadas como a primeira geração do BMW X1.

Dessa forma, o UV do segmento A, seria uma versão aventureira do Argo, que inclusive já tem sido ventilada na imprensa especializada. O segundo modelo será um jipinho que irá se posicionar abaixo do Renegade e o terceiro será um modelo de porte maior e provavelmente sete lugares, para preencher a lucana deixada pela Freemont. 

Há ainda um quinto produto que será desenvolvido em Pernambuco, mas aí nosso informante decidiu encerrar a conversa.