SÃO PAULO (SP) – O segmento de utilitários-esportivos (SUV’s) tem sido responsável por um considerável incremento de vendas de praticamente todas marcas de larga produção. Para a Volvo, os utilitários se tornaram fundamentais em seu negócio e o XC60 é camisa 10 dos suecos, com mais de 1 milhão de unidades produzidas. A nova geração chegou há um ano no mercado europeu e já vendeu 86 mil unidades. Agora o “rei da Suécia” desembarca totalmente reformulado. 

O XC60 chega em três versões de acabamento e um único conjunto motor que recorrer à unidade T5 Drive-E 2.0 de 257 cv, partindo da Momentum (R$ 239.950), Inscription (R$ 256.950) e R-Design (R$ 266.950).

Se há quase 10 anos o XC60 se tornou uma coqueluche no mercado brasileiro, rivalizando com o Land Rover Evoque, a nova geração desembarca com a missão de manter o bom desempenho. Se para os suecos o SUV é seu principal jogador, por aqui a filial também depende de seu carisma com o público. 

Para se ter uma ideia, de janeiro a julho, a Volvo licenciou, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), 1.836 unidades. Sendo que desse montante, 1.265 eram do XC60. E olha que se tratava da geração passada, já descontinuada lá fora, mas que por aqui ainda segurou as pontas por sete meses. 

No ano passado dos 3,4 mil carros vendidos pela Volvo, 2.144 foram XC60, o que indica a importância do utilitário para a estratégia da marca em terras tupiniquins.

Desenho
Desde o lançamento da segunda geração do XC90, a Volvo voltou adotar linhas retilíneas e mais conservadoras. O sedã S90 e a perua V90 Estate também seguem essa tendência. No XC60 os designers deixaram a régua de lado e buscaram contornos mais suaves para não fugir muito da geração anterior. 

No entanto, elementos que se tornaram ícones da marca como as lanternas verticais, inauguradas no V70 em 1997 estão lá, assim como os faróis com assinatura em LED centralizada. Ou seja, trata-se de um carro bonito e imponente, que mostra os projetistas foram cautelosos para não espantar a freguesia.

Segurança
O XC60 se enquadra num segmento em que não basta apenas oferecer conteúdo. Para sobreviver no nicho dos utilitários-esportivos “premium” é preciso ter acabamento impecável, entregar mimos como sistema de áudio de alta fidelidade e tecnologias de segurança ativa, passiva e auxílio a condução.

O jipão sueco é equipado com o sistema City Safety que é capaz de frear ou até mesmo desviar de um obstáculo em caso de colisão. Ele ainda monitora o tráfego em sentido oposto e também adverte e corrige a rota caso o motorista invada a contramão. Ainda somam a lista equipamentos como o sensor de ponto cego, controle de cruzeiro adaptativo (ACC) e direção semiautônoma a até 130 km/h. Até os limpadores de para-brisas contam com um conceito de esguicho integrado às paletas para reduzir o tempo em que a visão fica comprometida pela água.

Por dentro
O acabamento do XC60 impressiona pela qualidade dos materiais e também pelo bom gosto. As versões Incription e R-Design contam com quadro de instrumentos digital, que assim como nos novos modelos da Audi permite personalizar a exibição dos instrumentos de leitura. Outro destaque é a imensa tela vertical de nove polegadas no console central. Navegação, climatização, conexão com smartphone (nos padrões Android Auto e Apple Car Play) é feita por ali. 

O motor
Debaixo do capô a unidade T5 Drive-E acoplada à caixa automática de oito marchas não decepciona. Trata-se do mesmo motor equipa boa parte da gama no Brasil. Seus 257 cv garantem muita desenvoltura e os 35 mkgf de torque a partir dos 1.500 rpm garantem força em qualquer situação, inclusive em terrenos de pouca aderência, uma vez que a tração é integral.